Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Graça Sanches diz-se “feliz e surpreendida” por estar entre as 100 figuras mais influentes de África

Cidade da Praia, 14 Mar (Inforpress) – A professora e activista social Graça Sanches mostrou-se feliz com a distinção de uma das 100 personalidades mais influentes de África em 2018, numa lista com representações de 33 países, sendo 55 homens e 45 mulheres.

Na lista da “Reputation Poll para a Transparência e Integridade”, instituição com sede na Nigéria, em que a ex-deputada do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) encontra-se na 34ª posição na ordem alfabética, estão indivíduos de diversos sectores, incluindo liderança, entretenimento, advocacia, educação e negócios.

O reconhecimento pelo trabalho que vem fazendo em relação ao empoderamento dos jovens cabo-verdianos, através da promoção das jovens lideranças, assim como a sua acção em prol da igualdade e equidade de género significa, para ela, “mais responsabilidade, mas estimulada para continuar a lutar por menos desigualdades”.

“É uma honra estar ao lado de personalidades tão importantes e pessoas que admiro bastante como a Graça Machel e Carlos Lopes. Acredito muito no potencial da nossa África e as mulheres não podem ficar de fora das decisões importantes dos seus países”, disse Graça Sanches em declarações à Inforpress a partir de Portugal onde se encontra neste momento.

Graça Sanches, que está a “estudar para melhorar a sua formação na área género”, é a segunda mulher cabo-verdiana a merecer a distinção, já que, em 2015, a então ministra das Finanças, Cristina Duarte, foi também distinguida como uma das 100 personalidades mais influentes de África.

Este ano, estão entre os distinguidos, Carlos Lopes, da Guiné-Bissau, Graça Machel, viúva de Samora Machel e de Nelson Mandela, Paul Kagame, do Ruanda, Yemi Osibanjo, da Nigéria, Cyril Ramaphosa, da África do Sul e Ameenah Gurib, da Maurícia.

Esta distinção chega depois de a política ter recebido o “Prémio Humanitário Pan-Africano sobre a Igualdade de Género e Advocacia 2016” pelo trabalho realizado como presidente da Rede das Mulheres Parlamentares de Cabo Verde (RMP-CV), o prémio Young African Leader – MWF em 2015 e o prémio “West African Youth Award 2017”.

Neste momento, Graça Sanches encontra-se em Lisboa a completar uma formação na área de auditoria de género e planos para a igualdade na Escola de Economia e Gestão (ISEG) em Portugal.

Graça Sanches é professora e licenciada em História, mestre em Educação (Supervisão pedagógica) e deputada do PAICV entre 2011 e 2016, tendo presidido a Rede de Mulheres Parlamentares de 2012 a 2016, onde se destacou pela sua acção em prol da equidade e igualdade de género.

É, também, especialista em género e fiscalização legislativa com enfoque no género e formadora em liderança, sendo que trabalhou até Dezembro de 2017 como consultora no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

DR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos