Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo vai levar lei da nacionalidade ao parlamento em Outubro para alteração – ministro (c/áudio)

Cidade da Praia, 23 Jun (Inforpress) – O ministro do Estado, Família, Inclusão e Desenvolvimento Social garantiu hoje que o Governo está disposto a alertar a lei da nacionalidade, pelo que vai levar a legislação ao parlamento, em Outubro.

Fernando Elísio Freire deu esta garantia no seu discurso de abertura do encontro promovido pela Alta Autoridade para a Imigração (AAI) para analisar a “Lei da nacionalidade e integração de imigrantes” visando com isso a alteração da lei para beneficiar crianças nascidas em território nacional.

“A promoção da imigração realizada no mês de Junho, mês das crianças, vai ao encontro do que o Governo tem definido que é ser um Executivo garantia das crianças, de acesso à educação, à saúde e a rendimento, mas acima de tudo permitir que todas as crianças que vivam no território cabo-verdiano tenham acesso a bens básicos e possam usufruir do desenvolvimento do País”, disse.

É neste quadro, segundo Fernando Elísio Freire, que o Governo vê a iniciativa da AAI para que, definitivamente, se vê resolvido a questão da nacionalidade das crianças e dos imigrantes.

“É fundamental essa resolução para que o nosso país seja, efectivamente, um país coerente que defende os que vivem no seu território e os seus cidadãos que vivem no estrangeiro. Nós não podemos desejar todos os direitos para Maria, que vive em Brockton, e não conseguirmos dar ao Paulo, da Guiné-Bissau, os mesmos direitos”, afirmou, salientando que é esta atitude que fará de Cabo Verde um país coerente, que aplica a sua legislação.

Conforme aquele governante, o problema das crianças apátridas deve ser resolvido através da lei da nacionalidade, que permitirá que o País seja de todos, mas acima de tudo de cada um que procurar estas ilhas para viver.

Neste quadro de ideias, falou da importância da Alta Autoridade para a Imigração que, na sua opinião, deve exercer o seu trabalho para romper o “satus quo” existente e criar um quadro legal que permita ao País fazer “uma verdadeira integração dos imigrantes”.

“Não pode haver discriminação entre crianças. Não pode haver crianças que afectivamente e efectivamente vivem em Cabo Verde e que não se sintam, por lei, cabo-verdianos. É uma questão de justiça e de coerência para com a nossa história e caminhada”, asseverou, realçando que é neste âmbito que o Governo quer alterar a lei da nacionalidade.  

A discussão sobre a legislação, prosseguiu, começou hoje e não vai parar até que seja aprovada a lei no parlamento, onde será necessário consenso entre os partidos políticos nesta matéria.

A dinâmica, conforme disse, deve ser essa, uma vez que todos “somos filhos da emigração e de imigração” e de um País de história e de cruzamento de vários continentes, de várias culturas, homens e mulheres.

O encontro sobre a “A lei de nacionalidade e a integração de imigrantes” visa reflectir sobre a

Importância da lei de nacionalidade para a integração de imigrantes, partilhar informações sobre as disposições da lei de nacionalidade relacionadas com a permanência/integração de estrangeiros e imigrantes.

Foi ainda analisado no encontro a Lei da nacionalidade e integração de imigrantes em Portugal, assim como a lei da Guiné-Bissau nesta matéria.

A lei da nacionalidade em Cabo Verde garante que a nacionalidade cabo-verdiana pode ser de origem por nascimento ou de origem por opção, sendo que a nacionalidade é de origem por nascimento quando o indivíduo é nascido em Cabo Verde, filho de pai ou mãe de nacionalidade cabo-verdiana, nascido em território cabo-verdiano não possua outra nacionalidade e o indivíduo nascido em Cabo Verde de pai e mãe apátridas ou de nacionalidade desconhecida residentes em Cabo Verde.

PC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos