Governo vai aprovar Programa Nacional da Ciência para 2022-2026

Cidade da Praia, 05 Out (Inforpress)- O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, anunciou hoje, na Cidade da Praia, que o Executivo vai aprovar o Programa Nacional da Ciência com um plano estratégico de ciência, tecnologia e inovação para 2022-2026.

O governante fez estas declarações durante o seu discurso na cerimónia de entrega dos prémios científicos, uma iniciativa do Governo de Cabo Verde, através do Ministério da Educação.

“Estamos fortemente empenhados em desenvolver um programa nacional de ciência que vai ser aprovado com um plano de estratégia de ciência, tecnologia e inovação”, comunicou o primeiro-ministro, anunciando também a aprovação de uma agenda nacional de investigação, criação de uma fundação de ciência, inovação e tecnologia e um fundo específico para a ciência e a tecnologia.

Ulisses Coreia e Silva indicou ainda que o Governo vai aprovar o estatuto de professor universitário e de investigador, bem como aperfeiçoar as competências linguísticas científicas e tecnológicas desde o ensino básico até ao secundário.

“Trabalhar junto das universidades para ter cada vez mais uma inserção em redes internacionais do conhecimento. Não conseguiremos desenvolver sozinhos, temos que estar integrados no mundo, é isto que os nossos jovens têm que cultivar cada vez mais. Serem jovens cabo-verdianos, sim, mas jovens do mundo, abertos ao conhecimento, capazes de relacionar com todos, sem perder a nossa identidade (…)”, sublinhou.

Ulisses Correia e Silva avançou, igualmente, que o Governo está a trabalhar “numa grande iniciativa”, a Macaronésia do conhecimento, que vai ter um estatuto, por forma a desenvolver e partilhar competências em áreas que são de interesse comum das ilhas dos quatro arquipélagos (Cabo Verde, Açores, Madeira e Canárias).

Augurando sucessos aos premiados, o primeiro-ministro ressalvou que o Governo vai continuar a premiar e distinguir esses graus académicos e científicos e desenvolver uma estratégia de ensino superior “muito conectado” com a vocação regional das ilhas.

Nesta linha, exemplificou com a Escola do Mar na ilha de São Vicente, e o Instituto de Ciências de Tecnologias Agrárias em Santo Antão que, segundo garantiu, começará a funcionar este ano, integrado na Universidade Técnica do Atlântico.

O governante identificou, igualmente, o Polo universitário no Fogo relacionado com geociências e vulcanologia que deverá entrar em funcionamento em 2023/2024, ou seja, “mais uma vez aproveitar” as especificidades das ilhas e transformá-las em conhecimento.

TC/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos