Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo vai alargar rendimento social de inclusão a todas as famílias com crianças menores de 15 anos com deficiência, ministro (c/áudio)

Cidade da Praia, 23 Jul (Inforpress) – O ministro da Estado, da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social garantiu hoje que o Governo vai alargar o rendimento social de inclusão a todas as famílias com crianças menores de 15 anos com deficiência. 

Fernando Elísio Freire deu essa garantia em declarações à imprensa no âmbito da visita que efectuou, esta manhã, à Federação Cabo-Verdiana das Associações de Pessoas com Deficiência (FECAD), onde afirmou ainda que o trabalho do Governo, neste sector, será em quatro ideias fundamentais.

“Estamos aqui para dialogar com as ONG que trabalham com pessoas com deficiências para mostrar a nossa visão e o que queremos nessa legislatura, para além de consolidar o que já foi feito, a ser trabalhado em quatro ideias fundamentais”, disse, apontando o alargamento do rendimento social de inclusão a todas as famílias com crianças menor de 15 anos com deficiência como a primeira medida.

Ainda no âmbito das medidas a serem tomadas pelo Executivo, apontou o reforço de apoio e estreitamento das relações com as ONG que lidam com pessoas com deficiência, o recurso a cooperação internacional para aumentar técnicos especializados para o sector e a elaboração de uma estratégica nacional que passa pelo emprego, acesso à educação, saúde, cuidados e habitação.

Na questão do emprego considerado como um grande problema para as pessoas com deficiência, Fernando Elísio Freire avançou que o primeiro passo será criar condições para que os centros de formação profissional possam receber esse público alvo.

Neste particular, sublinhou, que antes de se levar a cabo as ideias em pauta, o Governo precisa ter noção exacta de quantas pessoas com deficiência existem no País, para que possa saber quantos médicos e pessoas especializadas devem ser disponibilizadas para trabalhar com as famílias deste público alvo.

Quanto ao cabal funcionamento da Lei de Mecenato, o governante afirmou que o problema pode não estar na legislação ou na sua aplicabilidade, e avançou que o que se deve fazer é criar condições para uma maior participação da sociedade e empresas com responsabilidade social neste tipo de acções.

“Se conseguirmos fazer isso, seremos um País realizado. Este é o nosso foco e objectivo”, finalizou.

Para o presidente da FECAD que apontou, na conversa com o ministro, as necessidades das associações que lidam com pessoas com deficiência, a maior preocupação tem a ver com a sustentabilidade.

“Tendo recursos as associações terão melhores condições para trabalhar com os seus associados. Já a FECAD, a sua maior preocupação é abrir o centro de reabilitação”, disse António de Mello, fazendo menção ainda à necessidade de ter mais técnicos para trabalhar.

Para um bom funcionamento, afirmou que o centro necessita de um psicólogo, um assistente social e um fonoaudiólogo.

O ministro da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, acompanhado da secretaria de Estado da Inclusão Social, visitou também hoje a sede da Associação Cabo-verdiana de Promoção e Inclusão das Mulheres com Deficiência (APIMUD) e da Associação dos Deficientes Visuais de Cabo Verde (ADEVIC).

PC/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos