Governo reafirma disponibilidade de apoiar a candidatura dos escritos de Amílcar Cabral a “Memória do Mundo da UNESCO”

Cidade da Praia, 29 Jan (Inforpress) – O governo considerou de “muito importante” a formalização dos escritos de Amílcar Cabral ao “Registo Memória do Mundo da UNESCO”, mas avisou que é preciso formalizar a instalação da comissão nacional memória do Mundo para se concretizar a candidatura.

O ministro da cultura manifestou a sua satisfação não só à iniciativa fundação, mas também à equipa técnica dirigida por Manuel Veiga, pela “competência” com que souberam cumprir o projecto, que na óptica do governante demonstra a importância que pode ter, também, na planificação e agendamento da candidatura.

Abraão Vicente fez questão de explicar que a Fundação Amílcar Cabral acaba por ser o elo entre os povos da Guiné e Cabo Verde nesta candidatura, convicto de que sendo uma “candidatura transacional ganha uma força que vai impulsionar pela descrição e pelo trabalho técnico aqui feito”.

“O próximo passo será constituir a equipa técnica que irá fazer parte da Comissão Nacional Memórias do Mundo e, obviamente, os membros desta equipa da Fundação não irão escapar ao chamamento de transformarem esse trabalho científico no dossier de candidatura”, elucidou.

Isto para que Cabo Verde consiga entregar “candidaturas com poucas chances de serem reprovadas”, já que considera que, dado à qualidade do trabalho apresentado pela equipa técnica coordenada pelo escritor Manuel Veiga, estão reunidas as condições para a concretização desta candidatura.

Sublinhou que este dossier terá obrigatoriamente de ter outras peças, designadamente vídeos, fotografias e o resumo mais sistematizado, num dossier que deve ter entre 10 a 15 páginas com palavras-chave, tendo sublinhado a necessidade de reactivar a Comissão Nacional Memória do Mundo para que se possa ter acesso a linhas de financiamento para as publicações e assistência técnica internacional

No dizer do ministro, esta importância pode ser extensiva, igualmente, à própria preparação da agenda 20/24, tanto em Cabo Verde como na Guiné-bissau, alegando que “um retrato tão completo de Amílcar Cabral” ajuda o Governo a projectar como se celebrar o centenário e provavelmente no meio académico, estudantil e no seio dos jovens.

Abraão Vicente fez estas afirmações na Fundação Amílcar Cabral (FAC), na Cidade da Praia, aquando da entrega formal dos escritos de Amílcar Cabral ao “Registo Memória do Mundo da UNESCO” ao presidente desta fundação, comandante Pedro Pires.

Coordenada por Manuel Veiga, a equipa técnica, que é integrada pelo comandante Carlos Reis, pelo investigador guineense Julião Soares Sousa e pelo engenheiro agrónomo, Arlindo Fortes, professor da Uni-CV, fez este trabalho em 10 meses, tendo produzido dois estudos, sendo uma obra de 429 páginas e documento-súmula de 40 páginas.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos