Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo quer consolidar a modernização da agricultura e melhorar a produção, disse secretário de Estado

Cidade da Praia, 12 Jul (Inforpress) – O secretário de Estado da Economia Agrária disse hoje que o Governo vai desenvolver um conjunto de acções para consolidar a modernização da agricultura e melhorar a produção agrícola, visando reforçar a resiliência face aos impactos das mudanças climáticas.

A garantia foi dada por Miguel da Moura, em conferência de imprensa para falar da preparação da campanha agrícola para o período 2021/2022 e os projectos previstos no sentido de privilegiar acções de sensibilização voltadas para os agricultores.

Segundo aquele governante, com estas acções o Governo quer apelar os agricultores a adotarem culturas mais resilientes para estratos climáticos nas zonas áridas e semiáridas com substituição gradual da cultura do milho por culturas forrageiras (lançamento de sementes, instalação de bancos de proteínas) e nas zonas sub-húmidas e húmidas a promoção da utilização de raízes, tubérculos, leguminosas (sobretudo feijões) e fruteiras.

 “Esta acção será implementada através da recolha e lançamento de sementes forrageiras a nível institucional e dos agricultores e criadores; com produção e divulgação de materiais didácticos (brochuras/cartilhas, programas rádio-televisivos), campos-escola para formação e sensibilização dos agricultores/criadores”, disse, indicando que as plantas serão disponibilizadas a preços promocionais.

Conforme o secretário de Estado da Economia Agrária, vão ser disponibilizadas sementes no apoio ao ano agrícola, sendo que a estratégia para a campanha agrícola 2021/2022 consistirá na valorização das sementes que foram recolhidas e também existentes em stock da campanha transacta.

Durante a época, realçou que a prevenção e combate às pragas e doenças serão feitas através da campanha zoo com disponibilização de materiais e equipamentos de combate e controlo a nível dos serviços desconcentrados do Ministério; assistência técnica aos agricultores e criadores e com formação dos agricultores e criadores em técnicas de combate e controlo biológico de pragas e doenças.

Apontou ainda como acções para o sector agrícola a instalação de unidades de produção e disseminação de inimigos naturais de combate à praga da lagarta do cartucho do milho, prospecção e combate de focos de gafanhotos e promoção de campanhas de combate e controlo de ectoparasitas.

Neste domínio avançou acções para o combate das principais doenças infectocontagiosas (Peste Pequenos Ruminantes, Peste Suína Africana), reforço da pesquisa da praga dos mil-pés, instalação de dois centros pós-colheita em Santo Antão, terceirização da assistência técnica e instalação de uma Unidade de Apoio à resolução de Questões Fundiárias.

No domínio da pesquisa anunciou a entrada em funcionamento do Laboratório de Bromatologia para análise da composição química e propriedades físicas e determinar os valores energético e nutricional das plantas e alimentos, assim como a implementação do zoneamento/ordenamento agrícola e o programa da digitalização das informações do Sector da Agricultura e sua disponibilização em um Portal Informativo Agrícola.

No sector da pecuária, realçou que as previsões apontam para situações agrometeorológicas desfavoráveis, pelo que serão privilegiadas acções de continuidade do processo de optimização e contingentação do efectivo animal ruminante, assim como reforço da utilização de alimentos alternativos para melhorar a alimentação e nutrição do gado.

No que se refere a florestas, afirmou que se irá priorizar a requalificação de perímetros agroflorestais, manutenção dos perímetros, continuidade à instalação dos sistemas de videovigilância nos perímetros florestais e conclusão a elaboração dos Planos de Gestão de Perímetros Florestais (cerca de 7800 hecatres) nos Parques Naturais da Serra Malagueta e de Rui Vaz (Ilha de Santiago), na área protegida de Monte Velha (ilha do Fogo) e reserva natural da Boa Esperança (ilha da Boa Vista).

Neste domínio, finalizou adiantando estar previsto a elaboração dos planos de manutenção de perímetros florestais de zonas áridas (Perímetro de Gamchemba, João Gago e Achada Leite, no concelho de Santa Catarina de Santiago e Perímetros de Capela, Covão de Santana, Portal e Tinca no concelho de São Domingos, na ilha de Santiago.

PC/ZS

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos