Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo quer chegar a 2030 com uma indústria e comércio externo desenvolvidos, sustentáveis e inclusivos

Cidade da Praia, 13 Ago (Inforpress)- O ministro da Indústria, Comércio e Energia disse hoje que Cabo Verde chegar a 2030 com uma indústria e um comércio externo “desenvolvidos, sustentáveis, inclusivos”, mas também integrados em cadeias de negócios diversificadas.

Alexandre Monteiro manifestou essa intenção na abertura do debate temático sobre “Estratégia de Desenvolvimento da Indústria e Comércio externo no horizonte 2030”, no âmbito da Agenda Estratégica Cabo Verde Ambição 2030”, organizado pelo Ministério das Finanças, através da Direcção Nacional do Planeamento, em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio e Energia.

“Queremos chegar a 2030 com uma indústria e um comércio externo desenvolvidos, sustentáveis, inclusivos, mas também integrados em cadeias de negócios diversificadas”, disse, sublinhando que isso irá contribuir para a “densificação do tecido empresarial” de micro, pequenas e grandes empresa, proporcionando “mais protecção de bens, mais emprego e maior contribuição no produto Interno Bruto”.

Entretanto, ao falar do Horizonte 2030, o ministro advertiu que é preciso levar em conta o momento da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, o que os desafia a “não desligar o motor e mantê-lo aquecido” e preparado para enfrentar com sucesso os desafios do pós covid-19.

Neste sentido, chamou a atenção de que a constante inovação na cadeia de reforma de negócios, que começa por se despoletar no mundo e que constitui uma oportunidade para o País, será “crucial” para o arquipélago enfrentar os desafios e introduzir mudanças estruturais.

“É fundamental que algumas medidas de recuperação de curto prazo estejam ligadas a estratégias de desenvolvimento de médio e longo prazo, ou seja, orientar investimentos na recuperação e retoma de actividades das empresas para impulsionar a inovação e transição energética, contribuindo assim para construção de economias e sociedades resilientes”, afirmou.

Alexandre Monteiro diz estar convicto de que os planos de recuperação enraizados em “soluções sustentáveis” representam “investimentos inteligentes”.

Por isso, defendeu, é preciso adaptar, desenvolver e consolidar as indústrias existentes com foco no uso das renováveis, bem como adoptar tecnologias e processos indústrias ambientalmente adequados, fortalecer o fornecimento sustentável da cadeia de valor da agro-indústria orientada para o mercado turístico, com certificação da qualidade e com o aproveitamento da conexão, energia renovável e água.

Merecem também especial atenção, a seu ver, a agregação de valor de produtos nacionais genuínos, atribuindo-os distintivos associados à originalidade e especificações geográficas e também reforçar a produção de bens essenciais para a segurança sanitária, no sentido de reduzir a dependência externa do arquipélago.

Sendo que a dimensão do mercado influência a eficiência e a competitividade da produção industrial, o ministro defendeu que a solução, para um pequeno país insular como Cabo Verde, passa por adopção de uma estratégia comercial aberta ao mundo.

Neste sentido, o governante sublinhou que a implementação dos acordos de facilitação do comércio, no âmbito do Organização Mundial do Comércio, da Zona de comércio Livre continental africana e da liberação do comércio no quadro da CEDEAO devem merecer uma maior atenção do País.

Isto porque, ajuntou, são instrumentos e “infra-estruturas intangíveis essenciais” para o arquipélago no seu processo de construção de desenvolvimento do mercado e são mercados a ter em conta no processo de busca permanentemente de uma participação cada vez maior na cadeia de produção e comercialização de bens e serviços a nível global.

“Fazer de Cabo Verde uma plataforma comercial e industrial no Atlântico Médio, atrair investimentos externos com capital e ‘know how’ necessário e orientados para exportação e conectados às PME nacionais apresentam-se como uma das formas de alavancar e acelerar o desenvolvimento industrial e do comércio externo do país”, frisou.

Para isso, acentuou que a estabilidade política, social e económica, o capital humano e a localização, são recursos importantes para Cabo Verde, mas não são suficientes para materializar a ambição de “elevar para outros patamares” a produção industrial nacional e de ter uma “participação mais relevantes” nos mercados externos.

A integração nas grandes cadeias de negócio nacional e internacional, precisou, requer logísticas específicas e “exigem esforços acrescidos” dos pequenos países insulares.

Ainda, o processo de desenvolvimento industrial, acrescentou, exige a dinamização do sector privado, incentivado e consolidando medidas de fomento de incentivo a investimento privado, exige uma forte aposta nas energias renováveis, eficiência energética para reduzir custos de factores de produção para as empresas de energia e água.

“É fundamental estabelecer uma forte conexão das indústrias com as universidades, as startup , de modo a desenvolver a procura de inovação aberta no País, com foco na criatividade, tecnologia e indústria 4.0”, disse, finalizando que o processo de desenvolvimento industrial exige também uma “boa colaboração do mercado” e um ‘upgrade’ nas infra-estruturas de qualidade.

AM/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos