Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo lança “Programa Operacional do Turismo” virado para o impulso do sector e diversificação

Cidade da Praia, 14 Jan. (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva lançou hoje, em São Lourenço dos Órgãos, o Programa Operacional do Turismo (POT) como acelerador do crescimento e impulsionador do emprego e enquanto sector transformador e de confiança na retoma do fluxo turístico.

Materializado no programa do executivo para o turismo, o POT baseia-se num modelo de crescimento de turismo ancorado na sustentabilidade, preservação dos recursos naturais, culturais, patrimoniais e humanos do país, como a mais valia para a construção de um produto turístico resiliente e diversificado em todas as ilhas e municípios, em busca de uma maior desconcentração da oferta turística.

Ulisses Correia e Silva disse que com este programa está-se num ponto de chegada e de partida relativamente à transformação que se pretende introduzir no sector do turismo, fortemente impactado pela pandemia, convicto que o turismo é dos sectores que mais rapidamente se vai recompor, desde que haja retoma de fluxo e confiança.

“Nós estamos a fazer com que esta retoma esteja não numa reprodução igual do que existia antes, mas que seja ainda melhor, relativamente a tudo aquilo que Cabo Verde pode oferecer para o desenvolvimento de um turismo sustentável e que seja de facto um acelerador do desenvolvimento, que tem impacto no crescimento económico”, referiu o Chefe do Governo.

A este propósito afiançou que o turismo deve ser visto como um sector arrastador de outros sectores, pois que tem esta valência, alertando que Cabo Verde precisa de escala e de dimensão, não só em termos de quantidade, mas sobretudo, em termos de rendimento.

O POT, especificou, foi desenvolvido num conceito muito integrado, saído de um planeamento estratégico, virado para horizontes a longos prazos, que ultrapassam o dos ciclos políticos, já que são estruturantes e enquadram-se no “master-plans” de cada uma das ilhas que definem a arquitectura e o inventário do potencial existente no país, de uma forma diversificada e diferenciada.

Considerou, ainda, que este programa tem um aspecto muito importante, por ser multissectorial com multi-actores numa perspectiva de médio prazo, por ser um projecto integrado, com foco, de modo que cada escudo injectado tenha uma finalidade, pelo que considerou a gestão como o grande desafio deste programa, para que seja eficaz e efectivo.

“O primeiro passo é compreensão disto. Precisamos  de ter todos os actores, o Governo, as câmaras municipais, o sector privado, os nossos parceiros internacionais com foco para o mesmo programa e para os mesmos objectivos”, asseverou o Primeiro-ministro, destacando o foco na sustentabilidade económica, social e ambiental, ressaltando a aposta num turismo verde.

Isto por entender que Cabo Verde tem nas suas ilhas potenciais adormecidos, que podem ser acordados e transformados nos recursos em valores, desde que trabalhados com qualidade e acessibilidades, assim como a criação de condições para a prática do turismo rural, cultural, visando a criação de empregos e promoção do empreendedorismo.

SR/MJB

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos