Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo esclarece que milho nunca foi objecto de regulação pelo Estado (c/áudio)

Cidade da Praia, 14 Jan (Inforpress) – O Ministério da Agricultura e Ambiente esclareceu hoje que o milho nunca foi objecto de qualquer tipo de regulação por parte do Estado, mas que o Governo tem vindo a apoiar o sector com medidas extraordinárias de mitigação.  

O esclarecimento foi dado pelo secretário do Estado para a Economia Agrária, Miguel Ângelo da Moura, em conferência de imprensa na Cidade da Praia, reagindo às informações veiculadas na comunicação social sobre o sistema do funcionamento do mercado nacional do mercado nacional do milho de segunda e do reflexo da subida de preço do referido produto. 

“O milho (de segunda) nunca foi objecto de qualquer tipo de regulação por parte do Estado de Cabo Verde. Por esta razão, o seu preço médio nos consumidores resulta das interacções entre as forças da oferta e da procura”, disse, indicado a disponibilidade, taxas de câmbio, transporte e seguros como sendo essas forças. 

Segundo o governante, a nível internacional verifica-se que o preço do milho a granel tem sofrido “importantes oscilações”, com tendência sempre em alta, desde o início da pandemia da covid-19, em Março de 2020, sendo que essas subidas “acentuaram-se ainda mais”, a partir de Outubro de 2020, sem esquecer que nos meses anteriores os preços nos principais mercados mundiais registou uma alta na ordem dos 24 por cento (%). 

“Como reflexo das oscilações dos preços do milho nos principais mercados internacionais, associados aos custos de outros factores, nomeadamente o frete internacional, a oscilação do câmbio do dólar em cerca de 43% no último semestre de 2021, além dos custos relacionados com algumas operações nacionais, tais como o custo de estivas nos portos do País, ensilagem/desensilagem, armazenamento, entre outros, a evolução do preço do milho grossista no mercado nacionais registou o valor mais elevado”, explicou. 

Miguel Ângelo da Moura sublinhou que, até o primeiro trimestre de 2021, o preço era de 1.844 escudos cada saco de 50 quilos, sendo que o valor máximo foi registado na ilha do Fogo, acima da média nacional, no valor de 1.945 escudos, contudo, durante o ano de 2021, o preço médio situou-se em 1.515,4 escudos por saco, representando um aumento em cerca de 32% em relação ao preço praticado em 2020. 

De acordo com o secretário do Estado, nessa altura, os impactos na produção da ração “só não foram mais gravosos, graças às medidas do Governo” para mitigar seus efeitos no sector pecuário, lembrando que a manutenção das medidas de subsidiação do preço do milho acarreta “elevados custos” para o Estado e, em última instância, para os contribuintes, acrescidos dos riscos de deformação do mercado pela via de especulação dos preços. 

“O Governo, através do Ministério da Agricultura e Ambiente, tem vindo a apoiar o sector, com medidas extraordinárias de mitigação, quer no contexto difícil da pandemia imposta pela covid-19, quer para os resultados do ano agrícola 2021/2022, aprovando a portaria nº 51/2021, de 23 de Novembro, para bonificação em 30% do preço da ração para gado ruminante”, avançou.  

O secretário do Estado para a Economia Agrária, Miguel Ângelo da Moura, entende que, sendo a pecuária uma actividade económica eminentemente privada, os produtores dispõem de instrumentos para ajustar e incorporar as oscilações e/ou subidas dos custos dos factores de produção, assim como “ajustar os processos produtivos à capacidade financeira”. 

Em relação a “tese do fim do sector da pecuária”, o secretário do Estado afirmou que “não se justifica e nem se vislumbra num horizonte mais pessimista, mormente numa ilha como a do Fogo, onde a resiliência tem sido o mote, sempre que as condições de mercado são alteradas. 

Miguel Ângelo da Moura fez ainda saber que o estoque de milho no País é assegurado pela importação efectuada pelas empresas (Moave, CIC e Upranimal), sendo que a reposição do produto está prevista para o próximo dia 16 de Janeiro, com a chegada de um lote de 5.000 toneladas de milho proveniente da Argentina. 

DR/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos