Governo e Cabeólica assinam memorando para incremento de volume de energia renovável eólica

Cidade da Praia, 23 Set (Inforpress) – O Governo de Cabo Verde e a empresa Cabeólica assinaram hoje, na Cidade da Praia, um memorando de entendimento para a expansão do parque eólico de Santiago e o armazenamento das energias renováveis das ilhas do Sal e Santiago.

Este projecto, conforme nota do Ministério da Indústria, Comércio e Energia, aponta para a instalação de mais aerogeradores, com uma capacidade total de 13 megawatts, no parque eólico de Monte São Filipe, na ilha de Santiago.

Pretende-se ainda, avança a mesma fonte, a instalação de duas baterias de armazenamento de energia de cinco megawatts cada, nas ilhas do Sal e de Santiago.

Na ocasião, o ministro da Indústria, Comércio e Energia, Alexandre Monteiro disse que este investimento da Cabeólica permite um melhor aproveitamento das capacidades da energia eólica do País.

“Tudo isto vai contribuir para o incremento em termos de volume de energia renovável produzido no País (…) que permite passar do patamar de 20 para 30 por cento (%) de penetração na rede”, explicou.

Para o governante este investimento enquadra-se na estratégia da transição energética do País, permitindo que Cabo Verde atinja a meta de 30% de penetração renovável, estabelecida no plano director do sector eléctrico, aprovado em 2018.

“Vamos continuar a trabalhar e criar as condições para que este projecto se concretize no horizonte previsto, para a sua entrada em funcionamento em 2024”, assegurou o ministro da Indústria, Comércio e Energia.

Por sua vez, o director de energia, Rito Évora, reiterou que este projecto se insere na política do Governo para a transição energética e que vai criar as condições para realização dos estudos técnicos detalhados para se arrancar com a construção.

O administrador delegado da Cabeólica, Bruno Lopes, disse que a empresa assume o seu papel de parceiro do Governo na transição energética do País, “pelo que, com este este projecto reafirma o seu contributo na aceleração energética”.

“Nos últimos 10 anos a Cabeólica posicionou-se como líder das energias renováveis em Cabo Verde e gostaríamos de continuar a assumir este papel”, projectou.

A Cabeólica, explicou a mesma fonte, resulta de uma PPP (Parceria Pública Privada) entre o Estado de Cabo Verde, a Electra, S.A., e investidores estrangeiros, actualmente a África Finance Corporation (Instituição Financeira de Desenvolvimento, da qual o Estado de Cabo Verde também faz parte) e a AP Moller Capital, pertencente ao Grupo AP Moller (MAERSK), líder mundial em logística/transportes marítimos.

Os financiadores são o Banco Europeu de Investimentos e o Banco Africano de Desenvolvimento.

OM/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos