Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo diz-se determinado em resolver a problemática dos entulhos na ilha do Sal

 

Santa Maria, 30 Out. (Inforpress) – O ministro do Ambiente afirmou hoje na ilha do Sal que o Governo está determinado em resolver a problemática dos entulhos em Santa Maria, visando melhorar a questão ambiental na ilha, cujo processo ronda a volta de 11 mil contos.

Gilberto Silva, que cumpriu uma vasta agenda durante o dia de hoje, inteirando-se da situação em matéria de deposição de lixo e escombros na ilha, fez essas declarações no encontro de sensibilização, no âmbito do projecto Remoção de Resíduos de Demolição e Construção (RDC), dirigido a hotéis, camionistas, empresas de construção, proprietários de obras, escolas e ONG.

O governante, que também testemunhou o lançamento dos trabalhos de remoção de escombros na zona de Fátima, em Santa Maria – Morrinho Carvão -, cuja área ocupada por RDC’s é de 232 hectares, informou que a primeira fase dessa faina, que vai levar meses de trabalho para resolver o passivo ambiental, vão custar aos cofres do Governo a volta de 4 mil contos.

“Mas nem de perto nem de longe vamos conseguir resolver tudo.

Daí a necessidade de mobilizarmos a comparticipação das empresas no sentido de ajustarmos o montante final que corresponde a cerca de 11 mil contos”, disse, desejando que esse trabalho de remoção seja concluído até finais do mês de Dezembro, “se tudo correr bem”, já que dispõe-se apenas de uma máquina caterpilar para a execução da tarefa.

“Não há recursos para abrirmos aqui frentes com várias máquinas a funcionar ao mesmo tempo. Portanto, vai se trabalhar com os recursos que existem. Mas o grau de dificuldade neste tipo de operação mostra, de certa forma, o nível de problemas ambientais que criamos ao longo do tempo, através das nossas atitudes irresponsáveis”, lamentou, contado com as autoridades locais no sentido de efectiva fiscalização.

Gilberto Silva vai dizendo, entretanto, que resolvido o problema do passivo ambiental, “é fundamental” que se crie condições para que os entulhos produzidos no dia-a-dia sejam colocados no sítio certo.

O presidente da Câmara Municipal do Sal, Júlio Lopes, reiterando que a questão ambiental é uma das prioridades dessa câmara, assegurou que a autarquia está determinada em limpar o Sal de lixo e entulhos, porque uma ilha turística sem um ambiente saudável “não tem futuro”.

“Há todo um plano de tratamento para remover os escombros, por forma a dar a beleza, de facto, à ilha do Sal. Este ambiente que fere a paisagem, incomoda não só os turista como também os cabo-verdianos. A partir de hoje, as coisas vão ser diferentes. Vamos limpar o Sal e ser exigentes. Quem sujar o ambiente será penalizado”, avisou, indicando que a partir de agora, Morrinho de Carvão é o único local onde se deve depositar os escombros.

Gilberto Silva aproveitou a ocasião para também conhecer o real estado da lixeira municipal – Morrinho de Açúcar -, a situação actual dos serviços de recolha, o plano operacional dos resíduos e o futuro aterro sanitário.

SC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos