Governo disse que 32 jornalistas foram mortos durante o conflito na Ucrânia

Kiev, 06 Jun (Inforpress) – O ministro da Cultura ucraniano, Oleksandr Tkachenko, disse hoje que desde o início da invasão russa da Ucrânia, a 24 de fevereiro, já morreram 32 jornalistas no conflito.

“Este ano, o Dia do Jornalista tem um sabor amargo”, escreveu Tkachenko na rede de mensagens Telegram, para celebrar o dia que a Ucrânia dedica desde 1994 ao trabalho dos profissionais da comunicação social.

“Estamos no quarto mês da guerra em grande escala e perdemos 32 jornalistas. Durante os oito anos de guerra anteriores, foram ainda mais os profissionais perdidos”, afirmou o ministro, referindo-se ao conflito armado com a Rússia no leste da Ucrânia desde 2014.

Tkachenko descreveu ainda os jornalistas como “heróis” e “lutadores na linha da frente da informação”, que cobrem o conflito durante as “24 horas do dia, sete dias por semana”.

“Esta é uma guerra híbrida que estamos a travar, a primeira desta magnitude na História do planeta, e o vosso papel é inestimável”, acrescentou o ministro dirigindo-se aos profissionais do setor.

Na segunda-feira passada, o jornalista francês Fréderic Leclerc-Imhoff, que trabalhava para o canal de notícias BFMTV, morreu num ataque que atingiu uma caravana humanitária na parte oriental do país em guerra.

Em abril perderam também a vida, entre muitos outros, o realizador lituano Mantas Kvedaravicius, quando estava a fugir da cidade cercada de Mariupol, e a repórter ucraniana Vira Hyryich, cuja casa em Kiev foi atingida por um míssil russo.

A Rússia lançou, em 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que matou mais de 4.100 civis e obrigou à fuga mais de 14 milhões de pessoas, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A organização indicou ainda que cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

Inforpress/Lusa

Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos