Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo desmente que tenha dado indicações para paralisação da obra da barragem de Principal

 

Cidade da Praia, 28 Set (Inforpress) – O ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, disse, na Cidade da Praia, que o Governo “não deu indicações” para a paralisação da obra da barragem de Principal, em São Miguel, no interior da Ilha de Santiago.

Na semana passada, a Comissão Politica regional do Partido Africano de Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) em Santiago Norte denunciou que o Governo do Movimento para a Democracia (MpD, no poder) mandou suspender as obras da barragem de Principal, “sem prestar qualquer cavaco ao concelho”.

Abordado pela imprensa, o governante disse que o Governo “não tem nada a ver com isso” e que qualquer esclarecimento sobre a paralisação é necessário contactar a empresa executora, pois, segundo assegurou, “eles é que estabeleceram os seus calendários de execução”.

Entretanto, considerou que não entende o porquê de se estar a divulgar essa “falsa notícia” de que o Governo mandou parar as obras da barragem.

“Estamos a avaliar as obras da barragem de Principal, tendo em conta, todas as suas conveniências e nós não podemos justificar as afirmações falsas feitas designadamente por certas medias ou pela oposição. Eles é que deverão explicar e apresentar provas de que o Governo mandou parar as obras”, disse.

Conforme indicou, neste momento o Governo está a estudar algumas possibilidades de manter a obra tal como está, continuar, mas, executando um conjunto de outras obras complementares para proteger a barragem e a população a jusante ou parar a obra.

Segundo o ministro, o primeiro cenário vai trazer “grandes inconveniências” e a segunda acarreta “custos adicionais” ao país.

“Nós vamos tomar essa decisão com base numa análise apropriada feita pelos técnicos e claro que está aqui que a decisão depois é política. Enquanto não tomamos a decisão, não damos instruções nenhuma de parar as obras às empresas que estão ligadas à execução da barragem”, sublinhou.

AM
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos