Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo confirma que o Estado tem por receber 48 mil contos pela venda dos 51% dos TACV

Cidade da Praia, 17 Dez (Inforpress) – O ministro do Turismo e Transportes, Carlos Santos, confirmou hoje que de facto o Estado de Cabo Verde tem ainda por receber os 48 mil contos da Loftleidir pela venda dos TACV.

Durante uma intervenção no período de questões gerais Carlos Santos explicou, entretanto, que os 51% da Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) foram vendidos à Loftleidir Cabo Verde pelo montante total de 145 mil contos e não 48 mil contos como tem sido dito pelo PAICV.

Conforme precisou, a avaliação da empresa feita por uma empresa independente indicou que o valor da empresa era de 1.014 mil contos, incluindo os imóveis que a companhia tinha orçados em cerca de 605 mil e o valor das peças sobresselentes avaliados em cerca de 318 mil contos.

“Quanto se optou pela venda fez-se uma venda da companhia retirando esses imóveis e as peças sobressalentes que ficaram com o Estado. Feito estas contas ficaram os 91 contos que seriam o valor da empresa”, explicou.

No entanto, adiantou que o Estado chegou ao entendimento em Março de 2019 com a Loftleidir Icelandic para a compra dos 51% e chegou a um acordo em que fez uma venda por 145 mil contos.

Tendo em conta a dívida acumulada de 96 mil contos do Estado de Cabo Verde para com a empresa, que já vinha gerindo a companhia, afirmou que se chegou a um entendimento, e que faz parte do contrato de compra e venda, para o encontro de contas, tendo ficado por pagar os 48 mil contos.

“Portanto está tudo bem esclarecido, e não há como dar a volta a esses 48 mil contos que estão por pagar da mesma forma que em qualquer contrato não se executa o contrato logo no primeiro dia”, sustentou.

Segundo o PAICV, o pagamento desse momento devia ser feito até Dezembro de 2019, daí a insistência no assunto, com o objectivo de conhecer os motivos do não pagamento do montante em dívida.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos