Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo compromete-se a estar sempre alinhado com a estratégia global do desenvolvimento sustentável

Cidade da Praia, 10 Set (Inforpress) – A secretária de Estado da Inclusão Social disse hoje que o Governo vai continuar a lutar contra a pobreza extrema, trabalhar para garantir os direitos dos cabo-verdianos e estar sempre alinhado com a estratégia global do desenvolvimento sustentável.

Lídia Lima deu essa garantia quando falava na cerimónia de abertura do seminário “Oportunidades iguais, diversidade e inclusão social”, organizado na cidade da Praia, pela Federação Internacional de Género e Direitos Humanos de Nova Iorque (EUA), em colaboração com o International Human Rights Commission (IHRC) e o Centro de Desenvolvimento Inglês em Cabo Verde.

“O tema em reflexão é muito importante e faz grande diferença nas sociedades mais abertas, mais inclusivas e que realmente se debruçam sobre as políticas que promovem a igualdade de oportunidades, a diversidade e a inclusão social”, afirmou.

Segundo a governante, num mundo cada vez mais globalizado, onde a liberdade dos povos e a democracia são condições basilares para o crescimento saudável das populações, já não se pode pensar em crescimento económico e criação de riquezas sem uma abertura clara e total para melhor convivência com a diversidade e inclusão social.

Neste âmbito, ressaltou ainda que os problemas que originam a pobreza e a marginalidade têm despoletado dos governos medidas e trazido à tona a necessidade de se adotar uma linguagem diferente acerca do crescimento e desenvolvimento do país.

Lembrou, igualmente, que os programas educativos devem fazer uma abordagem de combate a todos os preconceitos existentes à volta do género, religião, da deficiência e etnia.

Por sua vez, a cônsul da FIGDH, Olawunmi Princess Adewoyin, realçou que a intenção da introdução da federação em Cabo Verde tem como único objetivo zelar pela igualdade entre os homens e os direitos humanos no arquipélago.

A federação, que está ligada às Nações Unidas, África Union e CEDEAO, tem em agenda, segundo Princess, vários planos e projectos ligados à questão do género e direitos humanos.

“Cabo Verde tem cumprido, mas precisa ainda de mais esforços para reforçar a sua política para uma inclusão social”, finalizou, afirmando que para isso é preciso muito advocacia.

A Federação Internacional de Género e Direitos Humanos de Nova Iorque (EUA) que já se encontra no Quénia, Nigéria e outros países, e vai permanecer em Cabo Verde por cinco anos.

PC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos