Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo aposta na digitalização do sistema fiscal para alargar base tributária e combater fuga e evasão fiscais – ministro

Cidade da Praia, 19 Nov (Inforpress) – O Governo está a apostar na reforma e digitalização da administração fiscal para alargar a base tributária, aumentar a arrecadação de receitas e combater a fuga, fraude e evasão fiscais.

Ao presidir a abertura da conferência “Direcção Nacional da Receita de Estado (DNRE) no processo de transformação digital”, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, salientou que em Cabo Verde as receitas fiscais, tributárias aduaneiras tem representado em média cerca de 20 por cento (%) da riqueza nacional e constituindo a fonte principal de recursos para o financiamento do Orçamento do Estado.

“Aliás, o cumprimento das metas orçamentais está atrelado às reformas fiscais ao nível da digitalização dos processos, capacitando e habilitando a administração tributária e fiscal para cobrar, fiscalizar, integrar de forma célere e segura as mercadorias e responder a tempo as demandas dos contribuintes, responder a tempo e responder com qualidade e com proficiência”, disse.

Para além de principal financiador do Estado, salientou que o sistema fiscal é “um dos mais importantes” instrumentos ao dispor do Governo para execução da política distributiva da riqueza nacional.

Por isso, o mesmo adiantou que o Governo apostou nas reformas para melhorar a competitividade fiscal para que seja o factor principal na promoção da capacidade de mobilização interna de recursos e na garantia de sustentabilidade do processo de desenvolvimento do país.

“Assim apostamos na inovação, na melhoria da eficiência e da eficácia da administração tributária e aduaneira, visando a eliminação do comércio ilícito, combate à economia informal, melhoria da qualidade do atendimento e da satisfação do contribuinte (…) aumento dos níveis de conformidade fiscal e a diminuição da fuga e do combate à evasão fiscal, mas também o aumento do nível da cidadania fiscal em todo o território nacional”, apontou.

A revisão da lei e dos códigos é importante, mas o ministro sublinhou que é também essencial reformar os processos, os métodos de trabalho ao nível da cobrança da inspecção, ao nível da interacção dos contribuintes com a administração fiscal tanto ao nível do desembaraço de mercadorias como da facilitação do comércio.

“O Governo assume assim o compromisso com um sistema fiscal competitivo, eficiente, tanto a nível interno como a escala global. Um sistema fiscal que promova o empresariado nacional, mas também que facilite o Investimento Directo Estrangeiro (IDE) e melhore as condições de vida das nossas populações”, sustentou.

O vice-primeiro-ministro frisou que a avaliação do sistema fiscal feita pelas entidades externas, como o FMI, em Março de 2019, apontava que as receitas fiscais em Cabo Verde são “relativamente sólidas”, quando comparado com outros países de igual dimensão.

Contudo, indicou que devem ser tomadas medidas para o seu reforço, já que existe “um grande potencial” para o aumento da receita tributária na ordem de cinco pontos percentuais, permitindo que passe a atingir valores à volta dos 30% da riqueza nacional em contribuição das receitas.

De entre essas medidas constavam a reforma tributária em sede do imposto sobre o património, adequação do IVA, a tributação electrónica e economia digital assim como modernização da própria pauta aduaneira.

Neste sentido, adiantou que o Governo de Cabo Verde tem uma agenda para competitividade fiscal que considera a competitividade fiscal como sendo um activo, um investimento e factor principal na promoção da capacidade de mobilização interna de recursos.

“Temos hoje tecnologias que permitem ao Governo gerir a administração tributária, cobrar os impostos, eliminar a fuga a fraude e evasão fiscais e prestar um serviço de qualidade a todos os nossos contribuintes. Este é o caminho para utilizar a inteligência sensorial e todas as demais tecnologias que hoje estão à disposição da administração tributária para evitarmos esse fenómeno”, sustentou.

O governante aproveitou para congratular-se com a já utilização de um conjunto de soluções tecnológicas, desde a assinatura digital, as notificações electrónicas, a automatização dos processos de cobrança, a informatização dos processos de inspecção, a automatização de incongruências a nível da arrecadação do IVA, pagamentos em prestações online, facturas electrónicas, sorteios, janela única do comércio externo, selos digitais e pequenas encomendas.

MJB/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos