Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governo tem em agenda a resolução macro do problema de água em Cabo Verde – responsável

 

Porto Novo, 09 Dez (Inforpress) – O Governo está a trabalhar com os seus parceiros internacionais com vista à resolução, de forma estrutural, da escassez de água em Cabo Verde, assegurou, sexta-feira, em Santo Antão, o director-geral da Agricultura, José Teixeira.

José Teixeira, que falava num encontro com agricultores e criadores de gado no Porto Novo, no quadro da implementação do plano de emergência face ao mau ano agrícola, adiantou que o Executivo “tem em agenda a resolução macro” dessa problemática, para evitar que o país esteja, sempre, sujeito a planos de emergência para mitigação da seca.

“Estamos a trabalhar com os nossos parceiros internacionais para resolvermos, estruturalmente, o problema de água em Cabo Verde. Se não, vamos estar, todos os anos, a bater na mesma tecla”, sublinhou José Teixeira, entendendo que “o país não pode continuar sempre a fazer esse exercício”, ou seja, a adoptar planos de urgência para atenuar os efeitos da seca.

A dessalinização da água do mar, cuja disponibilidade é 80 vezes mais em relação ao potencial de água existente em terra, será, segundo José Teixeira, uma das soluções para superar, de forma durável, a escassez de água no arquipélago, até porque já estão disponíveis as tecnologias para o efeito, assegurou.

“Vamos fazer as coisas de forma sustentada, por forma a que os agricultores não percam o ritmo da sua produção e as famílias não fiquem sem o meio de subsistência por causa da seca”, sublinhou este responsável.

Se chover, “Cabo Verde celebra”, mas não havendo chuva não se deve estar nesse “stress que está a consumir a todos, entende o director-geral da Agricultura, que informou que, em 2017, Cabo Verde só recebeu apenas 30% da quantidade da precipitação esperada inicialmente.

Santo Antão foi uma das ilhas onde mais choveu este ano, com uma média de precipitação de 53%, em relação à que se esperava.

JM/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos