Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Governador do BCV aponta melhorias na organização das empresas como via para facilitar o acesso ao crédito

Cidade da Praia, 06 Jan (Inforpress) – O governador do Banco de Cabo Verde (BCV), Óscar Santos, aponta a melhoria na organização como via para facilitar o acesso ao crédito, sobretudo, às pequenas e médias empresas (PME) que representam o grosso do tecido empresarial cabo-verdiano.

As empresas cabo-verdianas muito têm se queixado das dificuldades no acesso ao crédito, quando os bancos comerciais, por outro lado, queixam-se dos excessos de liquidez.

Questionado pela Inforpress sobre que mecanismos poderão ser adoptados para facilitar o acesso ao crédito por parte das empresas, Óscar Santos sublinhou que o acesso ao financiamento não depende apenas dos bancos, mas também das próprias empresas, que precisam ter contabilidade organizada e apresentar bons projectos.

O governador lembrou que é preciso ter em conta que a liquidez dos bancos é dinheiro depositado pelos clientes que possuem alguma poupança entre os quais os emigrantes e neste sentido, defendeu que mesmo havendo excesso de liquidez, ela deve ser usada com precaução de modo a não perigar os depósitos e a manter a estabilidade e segurança do sistema financeiro.

“Há um estudo realizado pelo Banco Mundial que aponta que a maior parte das empresas cabo-verdianas não tem contabilidade organizada. É um obstáculo importante no acesso ao financiamento”, disse.

Óscar Santos salientou que apesar de todo o ecossistema que se criou, nomeadamente a Pró-garante, a Pró-empresa e mesmo o micro-financiamento, ainda falta trabalhar a questão da organização a nível de cada uma das empresas.

“Sem isso torna difícil os bancos concederem financiamento. Portanto em vez de estarmos cada um a culpar o outro, é melhor começarmos a trabalhar a nível da organização das empresas, sobretudo ter contabilidade organizada, contas auditadas, mais informações, para que os bancos possam ter o histórico das empresas e poderem com mais facilidade financiar o sector privado”, explicou.

Óscar Santos adiantou que o BCV, modernizou, este ano, a sua plataforma tecnológica de registo de crédito onde os bancos vão buscar informações sobre os créditos, por forma a decidir com base em informações sobre o risco de conceder crédito.

O Governo, conforme indicou, tem iniciativas do lado das políticas públicas, nomeadamente as instituições de apoio ao empresariado e as linhas de crédito bonificadas, que poderiam muito bem ajudar essas empresas, mas que por vezes não chegam às mesmas por falta de garantia.

Questionado sobre como avalia o comportamento das instituições financeiras durante o período de crise, o governador do Banco Central disse que o sistema  financeiro apoiou muito a economia e que contrariamente à 2009 esta crise encontrou um sistema financeiro mais resiliente e mais preparado, fruto das medidas que foram tomadas a nível mundial depois da crise de 2009.

“Em Cabo Verde, sem sabermos que estávamos fortalecendo o sistema para esta crise em particular, publicamos as duas leis estruturantes do sistema financeiro em 2014 que introduziram uma supervisão do sistema financeiro baseada no risco e um conjunto de medidas foram tomadas desde então o que permitiu fortalecer o actual sistema financeiro”, apontou.

Segundo disse, com esse sistema financeiro fortalecido, foi possível aos bancos e seguradoras consentirem alguns esforços e ajudar a aliviar a carga suportada pelas empresas e famílias, ao permitir as moratórias, pois caso contrário teriam que executar as garantias que são dadas pelos credores.

Da mesma forma lembrou que o sistema financeiro isentou durante certo período, muitos custos e comissões relacionados com as operações com clientes, por forma a evitar que as pessoas se deslocassem para as agências físicas e assim promover o distanciamento social.

“Os próprios accionistas tiveram de sacrificar os seus lucros para poderem aumentar os capitais próprios dos bancos”, sublinhou.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos