Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Gestores públicos continuam a ignorar a legislação sobre a declaração dos seus bens

 

Cidade da Praia, 16 Dez (Inforpress) – Os deputados terminam o ano politico com o cumprimento da lei que os obriga a fazer a declaração dos seus bens junto ao Tribunal Constitucional (TC), mas a maior parte dos gestores públicos continua a ignorar a legislação em vigor.

Uma fonte do Tribunal Constitucional confirmou à Inforpress que de 06 de Setembro, data da publicação da reportagem sobre os incumpridores da lei, a esta parte, “pouca coisa mudou”, ou seja, foram poucos aqueles que regularizaram a sua situação.

A mesma fonte assegurou à Inforpress que no próximo ano o TC vai notificar os faltosos com um prazo para apresentarem as declarações a que são obrigados e, se não o fizerem, ser-lhes-ão aplicadas sanções de acordo com a legislação sobre a matéria em vigor.

A 06 de Setembro do presente ano, uma reportagem da Inforpress dava conta que dos 72 deputados à Assembleia Nacional, 18 deles estavam em falta em relação ao cumprimento da lei que os obriga a depositar junto ao Tribunal Constitucional declarações de interesses, património e rendimentos num prazo de até 30 dias após a data da posse do cargo, enquanto a actualização deve ser feita até 31 de Janeiro de cada ano.

À cabeça dos faltosos estavam o próprio presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, e o primeiro vice-presidente, Austelino Correia. Desta lista negra faziam parte todos os partidos políticos com assento parlamentar.

O Movimento para a Democracia (MpD-poder) somava 13 deputados nesta situação, enquanto o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) contava com dois incumpridores, assim como os três parlamentares da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID-oposição).

A investigação da Inforpress concluiu que a esmagadora maioria dos titulares de cargos políticos e equiparados não cumpria com a lei que estabelece o regime jurídico do controlo das suas riquezas.

O primeiro-ministro e seus membros do Governo estavam entre os que tinham cumprido a lei, assim como o Presidente da República.

Ao nível das câmaras municipais, apenas os presidentes Óscar Santos (Praia), Herménio Fernandes (S. Miguel), todos na ilha de Santiago, e Aníbal Fonseca (Porto Novo), Santo Antão. Em relação a esta última edilidade, todos os vereadores e eleitos municipais tinham cumprido o que está estabelecido na lei.

No concernente à capital e S. Miguel, um ou outro eleito municipal tinha declarado os seus bens e rendimentos.

Os presidentes de institutos públicos, os embaixadores, os secretários gerais de serviços públicos e os membros do conselho de administração de sociedades de capitais públicos ou mistas, designadas por entidades públicas, estão também obrigados a depositar no TC as respectivas declarações relativas aos seus interesses, patrimónios e rendimentos.

LC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos