Gâmbia inteira-se sobre estratégias de Cabo Verde de vacinação contra a covid-19 e eliminação do paludismo

Cidade da Praia, 04 Ago. (Inforpress) – As autoridades sanitárias da Gâmbia querem estudar a estratégia de Cabo Verde, sobretudo em matéria de saúde, para implementarem a dinâmica das ilhas na campanha de vacinação contra a covid-19 e na eliminação do paludismo.

O ministro da Saúde da Gâmbia, Ahmadou Lamin Samateh, fez esta revelação esta tarde durante o encontro com o seu homólogo cabo-verdiano, Arlindo do Rosário, no Palácio do Governo, onde iniciou uma visita de três dias ao arquipélago, que ainda tem como propósito compreender o funcionamento do sistema de segurança social de Cabo Verde.

Médico-cirurgião de formação, a tutela da saúde da Gâmbia fez questão de ressaltar que Cabo Verde, “um pequeno país assim como a Gâmbia e com desafios semelhantes, está no caminho certo de desenvolvimento, principalmente em matérias como a eliminação do paludismo e na alta taxa de vacinação contra a covid-19, sobretudo na forma como conseguiu controlar a pandemia”.

Considerou que “Cabo Verde tem sido mesmo notável” e um exemplo a se ter em conta e não hesitou em referir que a Gâmbia precisa apreender as lições de Cabo Verde, principalmente no que se refere às estratégias implementadas, pois, observou que o seu país ainda está a enfrentar um grande desafio em matéria de vacinação contra a covid-19.

“Vamos aproveitar esta visita para aproveitar as vossas estratégias. Vocês fizeram muito bem. Conseguiram também erradicar o paludismo e isto é de facto uma grande vitória, já que o paludismo tem matado muita gente na região. Na Gâmbia ainda estamos na pré-eliminação, mas queremos alcançar o patamar ao nível de Cabo Verde e erradicar esta doença completamente”, realçou.

“Não tem sido fácil”, explicou, afiançando que a Gâmbia, país com 2,4 milhões de pessoas, vê neste pequeno país insular um exemplo para vencer dois dos seus grandes desafios em matéria da saúde.

Por sua vez, o ministro da Saúde de Cabo Verde, Arlindo do Rosário, enalteceu as políticas implementadas para que actualmente o país se encontre no processo de eliminação do paludismo, com avanços reconhecidos internacionalmente, sustentando que já lá vão quatro anos sem registo de casos autóctones.

Quanto à estratégia para a campanha de vacinação contra a covid-19, referiu que Cabo Verde se posiciona como um caso de sucesso em África, e que “tem feito um percurso assinalável em sectores de saúde com ganhos importantes desde a independência”, marcada pela melhoria dos seus principais indicadores de saúde.

A redução da taxa de mortalidade infantil à volta de 127/1000 em 1975 para 10,6/1000 em 2021, assim como a baixa taxa de mortalidade materna, o aumento da esperança de vida e trabalhos na luta contra as epidemias foram destacados pelo governante como outros “ganhos importantes, num país de alto risco para a introdução de transmissão vectorial”, face à localização das ilhas no cruzamento dos três continentes.

“Já tivemos epidemias de zika, epidemias de dengue, do paludismo e podemos dizer com alguma satisfação que pelo menos há quatro anos que estamos sem nenhum caso de transmissão autóctone destas doenças”, frisou.

Do programa da delegação gambiana, constam ainda visitas a várias estruturas de saúde da ilha de Santiago, como o Hospital Regional Santa Rita Vieira em Santiago Norte, o Centro de Saúde de Achada de Santo António e outras instituições como o INPS (Instituto Nacional da Previdência Social), Inpharma e Emprofac.

SR/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos