Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Futebol: Instrutor de arbitragem da FIFA apreensivo com abaixamento do nível físico da classe feminina

Cidade da Praia, 01 Set (Inforpress) – O ex-árbitro internacional cabo-verdiano Manuel Duarte, actualmente instrutor de formação credenciado pela FIFA, mostra-se apreensivo com o “fraco nível físico da actualidade da arbitragem feminina cabo-verdiana”.

Este que foi o mais referenciado árbitro cabo-verdiano a nível de futebol, exemplificou o facto de apenas uma única árbitra auxiliar no universo de oito candidatas ter conseguido nota exigida nos testes físicos do curso de árbitro de elite realizado na Cidade da Praia, alertando que “podem estar à altura em termos técnicos e de conhecimentos, mas que fracassam no capítulo físico”.

Numa altura em que as exigências são cada dia maiores, sobretudo para a classe de arbitragem, Manuel Duarte lembrou que as condições também são maiores e que os próprios instrutores exigem mais dos árbitros, quando as novas tecnologias incorporadas no futebol obrigam os praticantes a trabalhos redobrados.

Destacou à Inforpress a forma como a FIFA tem inserido Cabo Verde na lista dos países beneficiados com esta acção de formação na qual têm sido abordados os novos conceitos e metodologias.

Considerou, igualmente, uma “oportunidade imprescindível” para se motivar os jovens árbitros nacionais à carreira internacional, alegando que “quando feita com dedicação vale sempre a pena”, razão pela qual aconselhou a todos a investirem na formação técnica/táctica, lado a lado com os aspectos físicos.

Manuel Duarte, que esteve nessa formação de árbitros de elite de Cabo Verde, numa acção conjunta com a FCF e FIFA, na Cidade da Praia, destacou esta aposta da instância máxima que gere no futebol mundial virada para os activos internacionais, bem como para a formação de potenciais futuros árbitros internacionais.

“É muito gratificante mesmo uma formação deste nível porque temos estado inactivos desde 2019 por causa da pandemia da covid-19. Temos feito cursos ‘online’, mas não se compara com a prática. Esta é uma formação na qual os árbitros já se faziam sentir a sua falta”, rematou.

SR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos