Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Fundador da ACM enaltece “participação activa” das OSC nas políticas públicas em Cabo Verde

Espargos, 25 Nov (Inforpress) – O jurista José António Moreno, um dos fundadores da Associação Chã de Matias (ACM), no Sal, asseverou que o País que se tem hoje deve-se muito à “participação activa” das organizações da sociedade civil (OSC), nas políticas públicas.

José António Moreno fez essas considerações, hoje, na cerimónia de abertura da conferência sobre a “Participação das organizações da sociedade civil nas políticas públicas”, a que presidiu, no âmbito da celebração do 25º aniversário da Associação Chã de Matias, completados no dia 5 de Novembro.

“A ACM, ao longo destes 25 anos de existência, lutando contra mar e vento, mas também como boa marinheira e velejadora, pelo menos até hoje, conseguiu demonstrar que é possível desbravar caminhos, desde que o objectivo é claro, sério, honesto, transparente e sirva a quem mais precisa”, sublinhou António Moreno, jurista, também presidente da Assembleia-Geral daquela associação.

Admitindo não ter sido uma “luta fácil”, a mesma fonte, referiu, entretanto, que os resultados, ainda que modestos, têm “alma, corpo e memória”, que alimentam esta organização da sociedade civil para poder continuar o lema, “Ontem, hoje e amanhã, construindo esperança”, escolhido e adoptado há alguns anos.

Considerando a importância das ONG ou organizações da sociedade civil, José António Moreno concluiu, anotando, que há que “desconstruir a ideia malévola” que as ONG ou as OSC são “apêndices” dos partidos políticos, entendimento, conforme frisou, não contribui para o fortalecimento ou engajamento participativo das organizações da sociedade civil nas políticas públicas do País.

“A epidemia da covid-19 veio, de forma clara, alertar que o Estado sozinho não conseguiu e nem conseguirá ganhar a batalha em curso e que é pertinente e urgente, reinventar novas formas de participação do chamado terceiro sector nos processos de elaboração e implementação das políticas públicas”, observou.

A participação das OSC/ONG nas políticas públicas: O ponto de vista dos gestores públicos; Intervenção social das OSC/ONG na área da infância e da juventude; Criatividade e inovação em acções sociais – As OSC/ONG o desenvolvimento sustentável, foram alguns temas em debate, espelhados em três painéis, nesta conferência para marcar os 25 anos de existência da Associação Chã de Matias.

SC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos