Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Fonseca diz que é uma questão “susceptível de discussão” a possibilidade de pessoas com outras nacionalidade se candidatarem a Presidente

Cidade da Praia, 12 Jan (Inforpress) – Jorge Carlos Fonseca admitiu hoje que a possibilidade de cabo-verdianos com outras nacionalidades se candidatarem a Presidente da República é “uma questão susceptível de discussão e que se pode debater a nível nacional”.

Segundo o Chefe de Estado, este assunto pode ser discutido antes de se avançar para uma possibilidade de revisão da Constituição.

“Provavelmente, haverá vozes a favor, sobretudo na emigração e, talvez, haja também vozes contra a ideia de se permitir que cabo-verdianos com mais uma nacionalidade possam chegar ao cargo de Presidente da República”, precisou o Chefe de Estado.

Jorge Carlos Fonseca fez essas considerações, à margem da conferência de imprensa em que anunciou as datas de 18 de Abril e 17 de Outubro para a realização das eleições legislativas e presidenciais, respectivamente.

O empresário luso-cabo-verdiano Marcos Rodrigues pediu hoje uma revisão da Constituição, em ordem a dar oportunidade aos cabo-verdianos que se encontram na diáspora a se candidatarem ao cargo de Presidente da República.

“Nos momentos da vitória e do sofrimento a décima primeira ilha está com Cabo Verde e nunca recusou dar o seu contributo, mas a Constituição da República nega à diáspora o direito principal, que é o direito de participar nas questões políticas nacionais”, realçou Marcos Rodrigues, reconhecendo que s partidos políticos estão todos engajados para a questão da décima primeira ilha.

A Constituição de Cabo Verde, no seu artigo 110º dispõe que só podem concorrer ao cargo de Presidente da República os cidadãos que não tenham outra nacionalidade que não a cabo-verdiana.

“Esta disposição não reflecte a realidade sociológica e identitária cabo-verdiana e mostra-se incoerente com outras práticas”, sublinhou Marcos Barbosa.

LC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos