Fogo: Previstos investimentos superiores a dois milhões de euros para energia renovável e mobilização de água

São Filipe, 01 Out (Inforpress) – A ilha do Fogo poderá beneficiar de um investimento superior a dois milhões de euros, mais de 220 mil contos, para sectores de energia renovável e mobilização de água para consumo humano e agricultura.

A informação foi avançada à Inforpress pelo director e accionista da Ric Energy Cabo Verde e accionista e business development da Genius Watter para a região CEDEAO (Comunidade Económica de Estados da África Ocidental), Jorge Andrade Nogueira, que já solicitou um encontro com os presidentes das câmaras municipais da ilha para dar a conhecer o trabalho realizado e as oportunidades de investimento nestes dois sectores.

Este indicou que foram realizados mais de 30 levantamentos de dados a nível da ilha, de forma gratuita, e estão disponíveis para avançar e financiar a maior operação de instalação solar de sempre na ilha, viabilizar projectos estruturantes e criar rendimentos e poupanças às empresas que operam no Fogo.

“Estamos a trabalhar com os mais importantes agentes do desenvolvimento da ilha e pretendemos desenvolver uma estrutura capaz de gerar riquezas e sustentabilidade”, disse Jorge Andrade Nogueira, apelando às autoridades, nomeadamente as câmaras municipais, que, no seu entender, têm o dever e a responsabilidade de abraçar estas iniciativas.

A Ric Energy Cabo Verde, é uma empresa nacional, com sede na ilha do Fogo e que se dedica ao desenvolvimento, financiamento e execução de projectos de energias renováveis, e, segundo o seu responsável, já executou os trabalhos da instalação de bombagem de água de Achada Malva, financiado pela Cooperação Luxemburguesa e tem em curso a electrificação de Chã das Caldeiras com financiamento da USAID, mas existem outras empresas e personalidades como Franco Traverso, disponíveis para investir na ilha.

A Ric Energy foi fundada na Espanha em 2005 e actualmente, além da sua sede em Madrid, escritórios regionais em cerca de uma dezena de países e está focado no desenvolvimento de projectos, construção, operação e manutenção, além de investir em projectos de energia solar fotovoltaica em todo mundo com fornecimento de soluções de eficiência energética.

Já Ric Energy Cabo Verde, com 40 por cento (%) do capital social cabo-verdiano, é uma subsidiária da RIC Sun Investment SL que é a empresa holding do Grupo RIC Energy que é detentora do maior “pipeline” de projectos em Cabo Verde.

Com financiamento próprio, incluindo os maiores grupos económicos do País, tendo executado a construção da estação de bombagem de Achada Malva (concluído) e na fase de instalação a dessalinizadora da ilha do Maio e deverá ficar concluído dentro de um mês, representando no total mais de um milhão de euros.

Jorge Andrade Nogueira é também accionista da Business Development da italiana Genius Watter, liderada pelo pioneiro da indústria, Franco Traverso, que acabou de construir a dessalinizadora de Povoação Velha (Boa Vista).

Segundo o mesmo, há menos de um ano, com recurso a drones especiais para identificação de lençol aquífero, através do método de detecção electromagnética (ME), e o método geofísico avançado (MGA), realizou um levantamento que lhe permitiu identificar mais de 1.000 metros cúbicos dia, em diferentes pontos da ilha, sobretudo em Chã das Caldeiras e a parte sul da ilha.

No encontro solicitado e que pode ser alargado a outros empresários, para além de apresentar as oportunidades, será analisado o projecto de solarização das estações de bombagem de Águabrava, que é um projecto que a Ric Energy CV pretende que seja uma referência, adiantando que há disponibilidade de organizações internacionais para contribuir, com fundo perdido, até o máximo de 30 por cento do total de valor.

Jorge Andrade Nogueira salientou ainda que Ric Energy e a Genius Watter, estão disponíveis para investir dois milhões de euros na ilha na exploração de energia solar e produção de água, mas também em outros sectores com envolvência de empresas públicas e privadas para resolver alguns constrangimentos que obstaculizam o desenvolvimento da ilha.

Por exemplo, em Chã das Caldeiras, foi identificada muita água, muito superior à capacidade explorada hoje para abastecimento da população, e a ideia é executar um furo na zona de Boca Fonte e construir 10 quilómetros de rede de distribuição automática de água potável à população.

Com relação à empresa Águabrava, com a execução do projecto de solarização de todas as estações de bombagem, e tendo em conta a possibilidade de aumento do custo de energia convencional a partir de Outubro, iria poupar uma média de 1.400 contos/mês (16 mil contos/ano), lembrando que em caso de avançar a Águabrava não terá qualquer intervenção financeira inicial.

Neste momento a empresa prevê a instalação de 45 parques solares, incluindo as de Águabrava, e isso vai permitir potenciar o desenvolvimento, sobretudo da zona sul da ilha onde foram identificados mais de 800 metros cúbicos de água/dia por explorar.

JR/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos