Fogo: Participantes no fórum regional da juventude defendem acesso a crédito de forma célere e sem burocracia

São Filipe, 11 Set (Inforpress) – Os participantes no fórum regional da juventude das ilhas do Fogo e Brava, realizado a 09 e 10 de Setembro, em São Filipe, defenderam o acesso ao crédito para implementação dos projectos, de forma célere e sem burocracia.

Os participantes do fórum regional da juventude, que decorreu sob o lema “reconstruir melhor e com mais equidade no pós-pandemia” deixaram expressas na carta de recomendações a necessidade de ultrapassar esta situação.

O participante da ilha Brava, Colin Miranda, disse que durante o fórum foram apresentados vários projectos que estão a ser executados pelos jovens nas duas ilhas e que agora é necessário que, além dos jovens acreditarem nos seus projectos, as autoridades também acreditem neles e apoiem os jovens na implementação dos mesmos.

“A maior preocupação está relacionada com o acesso ao crédito. Ouvimos falar muito do crédito, mas na prática é muito difícil e quando os jovens se dirigem às instituições bancárias com ideias e projectos, mesmo através de apoio técnico de Pro-empresa não conseguem ir mais além”, disse Colin Miranda, observado que, na realidade é muito difícil obter crédito e é necessário encontrar outros mecanismos de acesso ao crédito de forma célere e sem muita burocracia.

Outro constrangimento tem a ver com a problemática do transporte que é fundamental, sobretudo para a ilha Brava, para resolver o problema porque não faz sentido falar do desenvolvimento sem resolver de uma vez por todas o problema de transporte e que sem isso não vale a pena investir.

O jovem Jacinto Andrade, do município de Santa Catarina do Fogo, apontou como preocupações o desconhecimento e a falta de incentivo e apoio a linhas de créditos com taxas reduzidas para proporcionar aos jovens mais oportunidades, observado que muitos jovens têm ideias inovadoras, mas quando chegam na fase de financiamento dos seus projectos tudo fica estagnado por falta de incentivo para fomento das ideias.

O representante do município de Santa Catarina do Fogo classificou de “importante” o fórum regional porque constitui uma oportunidade para os jovens trabalharem em colaboração e poderem trazer mais desenvolvimento e apelou aos seus companheiros para não desistirem dos seus sonhos porque são capazes de realizar os seus projectos, independentemente do tamanho e marcar assim a diferença na sociedade.

Uma das representantes do município de Mosteiros, Maria Andrade, referiu que a realização do fórum regional, como todas as demais acções direccionadas para a juventude são sempre importantes porque constitui um espaço onde os jovens têm a oportunidade, vez e voz para discutir com as autoridades e lideranças nacionais e locais as suas preocupações e poderem ser esclarecidos sobre projectos para com a juventude.

“É sempre bom ter este evento, sobretudo na região Fogo/Brava”, disse a representante de Mosteiros, observando que durante o fórum foram abordados vários temas pertinentes, desde empreendedorismo jovem, forma para criar empresa, oportunidades de financiamento, turismo sustentável, saúde mental, sexual e reprodutiva, que segundo a mesma, são preocupações que os jovens trouxeram e debateram, dando o contributo para a sua melhoria.

No domínio das oportunidades de negócios e empreendedorismo, bem como dos desafios no pós-pandemia a carta de recomendação aponta para a necessidade de uma maior partilha e reforço na divulgação das informações sobre as oportunidades e linhas de crédito existentes, de modo a torná-los mais acessíveis, melhor acompanhamento de beneficiários dos apoios para fins comerciais e iniciativas empreendedoras, mais acessibilidade na obtenção de crédito.

Relativamente ao turismo sustentável e inclusivo os participantes do fórum regional recomendaram uma urgente melhoria no transporte inter-ilhas, possibilitando assim o alcance do turismo sustentável e competitivo aos empreendedores, dar uma atenção especial e pensar fortemente na questão da protecção do ambiente e na preservação dos recursos naturais, assim como fomentar acções que incentivem pequenas mudanças de atitude hoje.

Em matéria de abordagem do sector público na busca de melhores ferramentas para dar resposta aos desafios da segurança urbana da carta de recomendação destaca-se a conscientização dos jovens a não violência, uma urgente atenção na área da educação com foco nos valores éticos e morais e o aproveitamento da tecnologia para uma educação de qualidade.

Reforçar a partilha de informações sobre as diversas doenças sexualmente transmissíveis, novas abordagens para trabalhar as questões ligadas à saúde sexual e reprodutiva, a criação de programas e a promoção de espaços de debate e de atendimento personalizado sobre a saúde mental constam da carta de recomendação no domínio de resiliência da saúde e bem-estar dos jovens.

Quanto à temática relacionada com a chamada “geração Powa”, projectos e iniciativas juvenis, os participantes recomendaram o fomento de intercâmbios entre projectos e iniciativas dos jovens, mais engajamento e participação nas iniciativas locais para o desenvolvimento, reforço das energias e parcerias entre os projectos jovens locais/nacionais e promover o serviço de voluntariado para o desenvolvimento comunitário.

JR/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos