Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Fogo: Obras do Governo com dinâmica de implementação diferenciada – deputados do MpD

São Filipe, 09 Jul (Inforpress) – As obras do Governo em execução na ilha têm conhecido uma dinâmica e ritmo diferenciado na sua implementação, constataram os deputados do Movimento para a Democracia (MpD), Filipe Santos e Vanusa Barbosa.

Em declarações à imprensa após visitas às diferentes obras, Filipe Santos avançou, por exemplo, que as obras de requalificação do núcleo histórico e a asfaltagem das artérias da cidade de São Filipe estão a decorrer, mas “num ritmo mais lento” do que as obras em curso em Chã das Caldeiras.

A asfaltagem do troço que liga a rotunda junto da Polícia Nacional, passando por Aguadinha até o porto de Vale dos Cavaleiros, e das artérias de Cruz dos Passos a Congresso e largo de Enacol a Congresso passado pelo bairro de Cobom, o prazo inicial era de 150 dias, mas no próximo mês de Agosto completa um ano desde o seu lançamento e ainda não há um prazo para a sua conclusão.

“Vamos inteirar junto do Governo sobre esta lentidão na execução desta obra, constatamos que está atrasada e é nossa obrigação ver junto do Governo as razões”, disse Filipe Santos.

Em sentido contrário estão as obras em Chã das Caldeiras, nomeadamente a rede viária que está em bom andamento e uma parte está concluída, assim como o loteamento das novas habitações e a instalação da central fotovoltaica para o fornecimento de energia eléctrica deverá ficar concluída até o final do corrente mês de Julho, esperando a retoma do turismo.

Quanto à construção da estrada que liga Piorno a Campanas de Cima, numa extensão de seis quilómetros, os deputados do MpD, segundo Filipe Santos, mostraram-se satisfeitos com o seu andamento, esperando que seja concluída dentro do prazo, isto é, até finais de Dezembro.

Este referiu que a empresa construtora poderá deparar-se com constrangimento relacionado com a escassez de mão-de-obra, devido ao aproximar do período das chuvas, mas indicou que os responsáveis da obra garantem a sua conclusão no prazo.

Com relação a esta obra, na preparação e movimentação de terra falta trabalhar cerca de dois quilómetros e em calcetamento aproximadamente quatro quilómetros, assim como mais de uma vintena de passagens hidráulica.

O troço entre Bangaeira (Chã das Caldeiras) passando por Piorno até Campanas de Cima, numa extensão de 9.6 quilómetros, representa um investimento de mais de 300 mil contos (308 mil contos) dos quais mais de três quartos estão facturados.

Os deputados do MpD eleitos pelo círculo eleitoral do Fogo, que hoje visitam o município dos Mosteiros depois de visitarem São Filipe e Santa Catarina do Fogo, mostraram-se satisfeitos com aquilo que classificam de “dinâmica incrível de crescimento e desenvolvimento da ilha”.

Segundo Filipe Santos, a ilha “está em obras” e segundo dados recolhidos junto da Delegação Aduaneira, Fogo é a terceira ilha do País que mais receita arrecada a nível das alfândegas, devido ao crescimento de operadores económicos, de várias agências que transportam cargas e aumento de volume de negócios.

Os parlamentares estabeleceram contactos com as estruturas de Saúde, e a nível de São Filipe e Santa Catarina o número de pessoas vacinadas ronda as cinco mil, número que está “muito aquém das expectativas”, razão pela qual, explicou, as estruturas de Saúde têm um novo plano de acção que passa pela deslocação às localidades para sensibilizar e vacinar as pessoas.

Quanto a preocupação dos viticultores, Filipe Santos disse ter analisado a questão da possível incapacidade da adega de Chã das Caldeiras para transformar toda a matéria-prima por falta de espaço e equipamentos por ter em stock a produção dos últimos dois anos, com o delegado do Ministério do Ambiente e Agricultura.

Segundo o deputado, a informação recebida do delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente é de que a adega de Chã das Caldeiras já começou a receber uvas de Montinho e que não há sinal de que não vá receber uva dos viticultores.

“Caso não poder receber toda a matéria-prima está em curso uma negociação com a adega de Monte Barro para receber uvas de viticultores de Chã das Caldeiras”, disse.

Hoje, os dois parlamentares vão estar no município dos Mosteiros onde, além do encontro com o presidente da autarquia, Fábio Vieira, têm programado deslocações à Delegacia de Saúde e contactos personalizados.

JR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos