Fogo: Famílias de Chã das Caldeiras defendem transferência em duas fases para facilitar aquisição e transporte dos materiais

São Filipe, 06 Mai (Inforpress) – As famílias de Chã das Caldeiras beneficiárias do projecto para a construção de casa própria no novo assentamento defendem a transferência do valor anunciado em duas parcelas para facilitar aquisição e transporte dos materiais.

Esta proposta foi avançada durante um encontro realizado na quinta-feira, 05, pela Câmara Municipal de Santa Catarina do Fogo com os beneficiários para socializar o projecto e repassar informações deixadas pelo Chefe do Governo, Ulisses Correia e Silva, na sua visita à localidade na passada semana.

A câmara municipal esteve representada no encontro pelo vereador da Acção Social e Infra-estruturas, e pela vereadora do Ambiente, Carlos Rodrigues e Adileusa Montrond, respectivamente, e contou com a participação de 36 das 39 famílias que constam da lista dos agregados familiares contemplados com tratos de terreno na zona de Bangaeira para a construção de habitação.

A autarquia de Santa Catarina do Fogo indicou que, durante o encontro, foram apresentadas duas propostas aos beneficiários do projecto.

As famílias contempladas, segundo o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina do Fogo, são aquelas que desde a erupção vulcânica de 23 de Novembro de 2014 estão em casas arrendadas e suportadas pelo Governo.

Assim uma das propostas socializadas prevê a continuação do pagamento da renda por um período de mais seis meses, aquisição de lotes e projecto de habitação e uma quantia de 500 mil escudos que será transferido por fases para a construção das moradias.

A outra proposta consistia na suspensão imediata de renda, atribuição de uma quantia de 600 contos a ser transferido pelo Governo mais um apoio financeiro da Câmara Municipal de Santa Catarina do Fogo no valor de 100 contos, assim como lote e projecto para construção das moradias.

A autarquia avançou ainda que das 39 famílias contempladas, 36 participaram do encontro e estas, de forma unânime, concordaram em receber do Governo e da câmara municipal o valor global de 700 contos (600 do Governo e 100 da câmara municipal) com a suspensão imediata da renda.

Os beneficiários solicitaram, que a transferência do valor seja em duas tranches e não faseada, tendo em conta algumas dificuldades na aquisição e transporte dos materiais para a Chã das Caldeiras.

Recorde-se que o Governo de Cabo Verde anunciou que concedeu lotes de terrenos a 50 famílias de Chã das Caldeiras para a construção de casa própria, tendo a portaria 17/2022, que autoriza a concessão gratuita de um lote de terreno, localizados em Bangaeira, sido publicada no Boletim Oficial nº 43 de 03 de Maio.

JR/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos