Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Fogo: Estragos provocados pela ventania dos últimos dias ainda por quantificar – agricultores dizem que são elevados

São Filipe, 11 Jun (Inforpress) – Os prejuízos provocados pela ventania que atingiu esta semana quase todas as localidades da ilha do Fogo estão por quantificar pelo Ministério da Agricultura, mas os agricultores consideram que são elevados.

O Ministério da Agricultura e Ambiente, através da sua delegação em São Filipe, avançou à Inforpress que na sequência da ventania os agricultores, sobretudo os ligados ao sector da fruticultura, registaram “alguma perda” com destruição de produção de frutas como manga e caju.
A título de exemplo, um agricultor contabilizou que perdeu mais de quatro centenas de quilos de mangas devido ao factor vento.

O delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente, Jaime Ledo, disse que o serviço que dirige não tem a noção da dimensão dos prejuízos neste momento, tendo em conta que será reflectido no resultado dos inquéritos cíclicos de produção de cada cultura que o Ministério da Agricultura faz periodicamente.

A ventania fez-se sentir nos concelhos da ilha, mas a intensidade do vento foi maior na freguesia de São Lourenço, zona norte do município de São Filipe, área de maior concentração de fruteiras como mangueira e cajueiro.
Apesar de se ter registado perdas na mangueira e cajueiro, o delegado referiu que se está, este ano, perante o ano de “contrassafra destas duas culturas”.

Segundo o mesmo, na zona de Campanas de Cima, onde houve alguma perda de mangas, ainda assim os camponeses estão esperançosos que nem tudo está perdido, porque, explicou, “ainda há mangueiras que estão no início de produção e que não foram afectadas”.

Além da perda de mangueiras e cajueiros, este disse que outras culturas de regadio foram afectadas, nomeadamente na zona de Piquinho em que um agricultor perdeu também parte da sua estufa e na zona baixa de Mosteiros, também se registou alguma perda na cultura de regadio.

“Ainda é cedo para quantificar os danos, só após o resultado dos inquéritos cíclicos das culturas teremos a noção das perdas”, concluiu Jaime Ledo.

JR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos