Fogo: Equipa técnica no terreno a combater focos da praga de lagarta-de-cartucho-de-milho

São Filipe, 02 Out (Inforpress) – Uma equipa do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) encontra-se no terreno a combater focos da praga de lagarta-de-cartucho-de-milho nas culturas de sequeiro na zona norte da ilha, onde foi identificado a presença da praga.

Agricultores das localidades de Afonso Gil e Outra Banda/Galinheiro contactados pela Inforpress adiantaram que a delegação do ministério tem estado a apoiar no combate a praga.

Na localidade de Afonso Gil, nas proximidades de Ponta Verde, o combate a praga de lagarta-de-cartucho-de-milho já foi concluído, e segundo os agricultores foram utilizados no processo produto químico e com recursos a tendentes através de técnicas mais tradicionais.

Desde segunda-feira, 30 de Setembro, a equipa da delegação encontra-se na localidade de Outra Banda/Galinheiro a proceder ao combate com recursos a predadores biológicos, que estão sendo distribuídos para os locais onde se regista a presença da praga.

Uma fonte da delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente adiantou a Inforpress que os predadores biológicos chegaram a ilha na ultima segunda-feira e estão a ser utilizados no combate a esta praga.

A praga de lagarta-de-cartucho-de-milho ataca a cultura do milho ao longo de todo o seu processo, desde crescimento, floração e fortificação, e os agricultores podem recorrer a vários produtos para combater a praga, quer naturais como químicos.

A tentativa para contactar os responsáveis locais do Ministério da Agricultura para a Inforpress se inteirar se foram identificados outros focos da praga a nível da ilha não resultou.

No município dos Mosteiros, os agricultores da zona norte (Ribeira do Ilhéu) identificaram focos de lagarta-de-cartucho-de-milho e a situação já foi comunicada à câmara que está a mobilizar os meios para dar início ao combate a partir de hoje, segundo o vereador do Desenvolvimento Rural, Jaime Monteiro Júnior.

Em declarações à Radio de Cabo Verde, os agricultores da zona norte dos Mosteiros indicaram que a praga terá surgido em Setembro com a identificação dos primeiros, mas a queda de alguma precipitação diminuiu a população, mas voltou a ressurgir, sendo que a situação é descrita como preocupante, porque este ano começou mais cedo e os estragos acontecem mais rápido que no ano passado.

O vereador Jaime Monteiro Júnior considerou que o surgimento da praga está relacionado com a fraca precipitação registada.

A autarquia, continuou, no quadro do protocolo celebrado com o Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) passou a dispor de competências nestes dois sectores a nível do município, está preparada para apoiar os agricultores no combate a praga.

Segundo o mesmo, a situação foi comunicada ao delegado do MAA na ilha que disponibilizou os medicamentos e equipamentos que se encontram nos Mosteiros.

Ainda hoje as equipas, “devidamente preparadas e formadas”, vão estar no terreno para o combate da praga na zona norte e noutros pontos do município dos Mosteiros.

O cenário do ano agrícola nos Mosteiros “é desolador”, no dizer do vereador, já que a precipitação registada na zona baixa “é insignificante”, sublinhando que a câmara já dispõe de um plano de acção para fazer face a um eventual mau ano agrícola.

Aquando da visita ao Fogo da representante da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Ana Laura Touza, no início de Agosto, esta garantiu que esta organização vai financiar a instalação de um laboratório local de produção de factores biológicos de combate às pragas.

A FAO financiou a instalação do laboratório para produzir factores biológicos para combate das pragas no INIDA (Santiago) e vai oferecer um segundo laboratório para a ilha de Santo Antão e a pedido do Ministro da Agricultura vai-se fazer um estudo para abrir, na ilha do Fogo, o terceiro laboratório para ter a produção local de factores biológicos para combater as pragas.

JR/AA

Inforpress/Fim

 

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos