Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Fogo: É difícil falar nestas circunstâncias porque a alma esta sofrida e a dor é forte – Maritza Rosabal

São Filipe, 18 Jan (Inforpress) – A ministra da Educação, Maritza Rosabal, que representou o Governo na cerimónia fúnebre de Luís Giovani dos Santos Rodrigues, disse que “falar neste momento e nestas circunstâncias é difícil”.

Visivelmente emocionada, a titular da pasta da Educação explicou que é “muito difícil, porque a alma está sofrida e a dor é forte” e que a vontade mais profunda seria apenas ficar em silêncio e chorar esta perda e exprimir toda a consternação que invade as pessoas.

Em nome do primeiro-ministro de Cabo Verde apresentou as mais “sentidas condolências à família, à comunidade mosteirense e ao povo de Cabo Verde”, indicando que este é um momento e uma oportunidade única para enaltecer as qualidades particulares que iluminava, ilumina e iluminará para sempre a alma de Giovani.

“É um momento de nos alegrar as inúmeras e belas qualidades de Giovani, que era um jovem gentil, carinhoso, amável, solidário e cheio de sonhos e que tinha uma vida inteirar para ser vivida”, afirmou Maritza Rosabal, observando que era uma “vida em que a paixão pela música e o amor ao próximo eram apenas uma amostra da sua potencialidade e do seu espírito livre”.

Para a governante, a melhor homenagem a este jovem, que “nos deixou de forma repentina e trágica, que tinha sonhos por concretizar, é “continuar unidos e que a justiça puna de forma célere e exemplar os protagonistas deste crime, observando que o Governo, através da Embaixada, que disponibilizou todo o apoio aos familiares e estudantes, tudo fará para garantir os direitos dos cidadãos e para que a justiça seja feita em estreita colaboração com o Governo e povo português, que tem tido uma atitude de destacar em todo este processo.

Já na missa do corpo presente, realizada ao largo da igreja matriz, na cidade de Igreja, o Cardeal Dom Arlindo Furtado, que presidiu às cerimónias fúnebres, que a “morte de Giovani não foi um problema apenas dele, da família, das comunidades e dos amigos, mas tornou-se num acontecimento nacional e ultra-nacional”, tudo porque se trata de uma vida humana, única e maior dom que Deus deu aos homens.

Segundo o cardeal, ninguém tem direito de estrangular a vida humana, por uma questão de justiça e ninguém tem domínio sobre o outro, observando que a morte de Giovani tem muitas implicações na maneira como as pessoas lidam com a vida humana em todas as circunstâncias.

“A vida humana que foi eliminada, de uma forma trágica, é algo que mexe com qualquer ser humano normal, mas também mexe, sobretudo ,com aqueles que sabem, que tem a consciência esclarecida do valor, do alcance da vida humana” , sublinhou o religioso, destacando que os cabo-verdianos, além de serem pessoas, têm uma matriz que os levam a entender isso em profundidade, uma vez que “vida, a história e a cultura” são marcadas por Jesus Cristo.

No final da missa, que demorou cerca de duas horas, o pai de Giovani, Joaquim Rodrigues, agradeceu a todos pelo apoio e pela manifestação dispensados, e aproveitou para oferecer à paróquia da Nossa Senhora da Ajuda o piano de Giovani, que há cerca de cinco anos começou a dar os primeiros toques no piano, para que jovens e adolescentes possam aprender a tocar o instrumento.

“O meu filho, o nosso filho nunca mais esquecerei”, disse Joaquim Rodrigues

Luís Giovani dos Santos Rodrigues, de 21 anos, morreu no passado 31 de Dezembro, vítima de agressão em Bragança , Portugal, para onde se tinha deslocado, em finais de Outubro de 2019, para formação em Design de jogos Digitais, no Instituto Politécnico de Bragança, e foi sepultado hoje no cemitério dos Mosteiro, já depois das 14:00 horas, depois de uma cerimónia que demorou mais de seis horas.

Luís Giovani era um dos “mais promissores artistas” dos Mosteiros, tendo destacado na banda Beatz Boys, um grupo integrado por jovens formados pela paróquia de Nossa Senhora da Ajuda.

O artista Paulo de Pina pintou pelo menos dois quadros, um dos quais foi entregue pelo presidente da Câmara ao pai de Giovani.

A cerimónia contou com momentos musicais, aquilo que Giovani mais gostava, com os grupos locais Pro-kultura e Beatz Boys.

Os cinco suspeitos da morte de Luís Rodrigues vão aguardar julgamento em prisão preventiva indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio, determinou o tribunal, que afasta a motivação por ódio racial.

A decisão, lida aos jornalistas cerca na sexta-feira por uma funcionária judicial, refere que depois do primeiro interrogatório judicial, o tribunal decidiu sujeitar todos os cinco arguidos a prisão preventiva.

A morte do jovem, que tinha chegado à região há pouco mais de um mês para estudar na escola de Mirandela do Instituto Politécnico de Bragança, motivou reacções institucionais de Portugal e Cabo Verde.

Os apelos à Justiça e à não-violência traduziram-se também em marchas de homenagem ao jovem cabo-verdiano, no passado sábado.

No dia 28 de Janeiro está prevista uma homenagem ao estudante, durante as comemorações do dia do Politécnico de Bragança.

JR/Lusa/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos