Fogo: Deputados do MpD terminam visita ao círculo para se inteirar da situação da agropecuária e do plano de mitigação

São Filipe, 20 Jan (Inforpress) – Os deputados do Movimento para a Democracia (MpD-situação) Filipe Santos e Vanuza Barbosa concluíram hoje uma visita de quatro dias ao círculo eleitoral para se inteirar da situação agropecuária e da implementação do plano de mitigação.

Numa conferência de imprensa realizada hoje, no perímetro irrigado de Monte Genebra, zona sul de São Filipe, Vanusa Barbosa disse que durante a visita mantiveram contactos com agricultores e criadores de gado dos três municípios para se inteirar das suas preocupações e equacionar aquilo que é preciso melhorar.

No âmbito do plano de mitigação da seca e do mau ano agrícola, implementado pelo Governo, a deputado indicou que um dos primeiros eixos tem a ver com apoio aos criadores para aquisição de ração animal, através de disponibilização de vales-cheques, permitindo assim aos criadores ultrapassar esta fase menos positiva, provocada pelos quatro anos consecutivos de seca.

Vanusa Barbosa indicou que algumas localidades do centro e sul do município de São Filipe e sul do município de Santa Catarina, o pasto para animais é escasso, mas sublinhou que a realidade é diferente nos Mosteiros, onde “há bastante pasto” no dizer dos agricultores e criadores e alguma produção de feijões, sobretudo congo.

No eixo da mobilização de água, a parlamentar indicou que o Governo tem apostado na rega gota-gota, e tem mobilizado água para ultrapassar a dependência da chuva, para agricultura e existem resultados já que os furos estão equipados com energia renovável para que tenha produção suficiente de água para quem quiser apostar na agricultura poder fazê-la.

Apontou ainda a celebração de contratos-programa com as Câmaras Municipais de São Filipe e Santa Catarina do Fogo, visando a criação de empregos públicos, no montante de mais de quatro e seis mil contos, respectivamente, sendo que o objectivo é ajudar as famílias a terem rendimento e ultrapassar de forma mais tranquila esta fase menos positivo e de falta de chuvas.

Confrontada com o facto da Empresa Intermunicipal de Águas, Águabrava, que faz também a gestão de água para agricultura, ter suspenso os contratos de fornecimento e com uma lista de mais de 100 pedidos pendentes, a deputada afirmou não ter conhecimento da suspensão de quaisquer contratos de fornecimento de água.

“Temos conhecimento de que há água disponível para agricultura, através de um processo organizado com dias específicos para cada parcela de modo a fazer uma rega sustentável, rega gota-a-gota”, referiu Vanusa Barbosa, indicando que os deputados do MpD vão averiguar a questão da suspensão de contratos e se corresponde à realidade.

Com relação às queixas dos criadores sobre escassez e preço de ração, os parlamentares do MpD, reconhecem que há escassez de matéria-prima para produção de ração, mas que houve uma remessa para a ilha do Fogo.

“Uma das preocupações é que chegaram apenas sacos de 50 quilos a 3.200 escudos, o que constitui constrangimento aos criadores que não tem poder de compra para adquirir sacos de 50 quilos”, pontuou Vanusa Barbosa, que prometeu ver junto das autoridades, a forma de resolver a situação, lembrando que a matéria-prima é importada por privados e não é o Governo que aumenta o preço.

“O papel do Governo é de criar mecanismos de apoios a criadores, através de vales-cheques”, destacou a deputado, adiantando que sobre a “possível recusa” dos vales-cheques pelos fornecedores de ração é uma questão que terá de resolver com as empresas que fazem a distribuição de ração, que no dizer da mesma, devem aceitá-los, porque é uma forma para que os criadores possam ter acesso aos produtos”.

Além da questão agropecuária e da implementação do plano de mitigação, durante a visita os dois parlamentares visitaram a delegação aduaneira para inteirar do processo de despacho das encomendas, viaturas e contentores.

“Tem havido algum ruído, relativamente à taxa de 200 mil escudos para imposto sobre consumo especiais para emigrantes que estão a regressar definitivamente”, disse a deputada, sublinhando que a informação veiculada não corresponde à verdade porque quem está a regressar de forma definitiva para Cabo Verde, a taxa de 200 mil escudos não se aplica às viaturas com chapa verde, lembrando que os emigrantes têm possibilidades de trazer viaturas até 10 anos sem aplicação da taxa.

Por outro lado, disse que não tem havido atraso no desembaraço das viaturas e que informação repassada pelo delegado aduaneiro, o processo demora 24 a 48 horas, desde que o proprietário tenha toda a documentação em dia.

Os deputados do MpD constataram a existência de atrasos no desembaraço de pequenas encomendas e que de momento a delegação aduaneira não consegue suprir a expectativa das pessoas devido a falta de recursos humanos, mas que já está nomeado um funcionário, de forma definitiva, para colmatar a situação, sublinhando que com o funcionamento do novo armazém que está na fase final de construção, e de scâner o processo será mais célere.

JR/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos