Fogo: Construção do porto de pesca da Baía de Corvo é um sonho antigo e caro que não pode ser pensado a curto prazo – ministro

Cidade de Igreja, Mosteiros, 08 Mai (Inforpress) – A construção do porto de pesca na Baía de Corvo, zona sul do município de Mosteiros, é um “sonho interessante, antigo e caro que não pode ser pensado a curto prazo”, reconheceu hoje o ministro do Mar.

Abraão Vicente, que iniciou hoje a sua primeira visita às comunidades piscatórias da ilha do Fogo, como titular da pasta do Mar, contrariamente ao programa inicial, começou a sua visita pelos Mosteiros, tendo passado pelos principais pontos de desembarque de pescado daquele município.

Com relação a construção do porto de Baía de Corvo, um sonho que a população de Mosteiros vem reivindicando há várias décadas, Abraão Vicente admitiu que “é um sonho antigo e caro e não acredita que seja viável, apenas como unidade de apoio à pesca”.

“É necessário acrescentar à Baía de Corvo outras valências e criar sinergias entre a pesca, o turismo e serviços de apoio à restauração e toda a infraestrutura de segurança devido à orografia”, destacou o ministro do Mar para quem o rácio entre investimento e benefício pode parecer exagerado para a comunidade piscatória que existe no local.

Segundo o governante, seria necessário pensar no envolvimento do sector privado, do sector público, da municipalidade e dos próprios pescadores para criar uma outra dinâmica na Baía de Corvo, observando que “desencravar a Baía de Corvo pode ser uma autêntica revolução no sector da pesca nos Mosteiros e nas zonas costeira”.

Depois de inteirar-se da realidade, Abraão Vicente afirmou que é preciso pensar a pesca não apenas como sector de sobrevivência e de apoio às unidades de pesca artesanal, observando que Cabo Verde tem enorme potencial e é fundamental construir infraestruturas que perduram mais no tempo ainda que custam mais.

“Aquilo que vi são precariedades no sector da pesca, não podemos continuar a desenrascar no sector da pesca”, disse Abraão Vicente para quem não vale a pena a fazer projectos de sobrevivência dos pescadores e peixeiras com entregas de botes, motores e outros artefactos de pesca.

“Temos de ser mais ambiciosos”, referiu o titular da pasta do Mar, salientando que a equipa que o acompanha vai fazer um amplo levantamento para depois elaborar um plano para o sector e submetê-lo ao Conselho de Ministros para a sua aprovação e planificar assim os próximos anos.

Com relação ao posicionamento assumido pelo titular do Mar em relação a construção do porto de Baía de Corvo, o presidente da câmara de Mosteiros, Fábio Vieira, disse que “o importante é que tenha noção de que a construção do cais de pesca de Baía de Corvo constitui uma infraestrutura estratégica para revolucionar o sector da pesca no município de Mosteiros”.

“Temos a noção do nível de investimento que vai ser feito na Baía de Corvo, é uma infraestrutura que existe pesados investimentos, daí a necessidade de uma parceria estratégica entre a câmara municipal, o Governo e o sector privado”, destacou Fábio Vieira, lembrando que é uma infraestrutura que consta do programa do actual Governo.

“Há dois mandatos que aguardamos a materialização desse grande sonho dos mosteirenses e temos a noção do contexto de crise financeira e sanitária e exige alguma mobilização de recursos para tal”, referiu o autarca de Mosteiros.

Para Fábio Vieira, a prioridade é olhar para a pesca no seu todo, não só na perspectiva de captura, mas também de infraestruturas e salientou que as infraestruturas de pescas de Mosteiros estão “todas obsoletas e é necessário fazer investimentos de modernização dos pequenos arrastadouros que existem, fomentar a formação e capacitação técnica dos operadores de pescas”.

Segundo o autarca, a câmara, ciente da sua visão para o sector da pesca realizou uma formação em técnicas de manuseamento e conservação de pescados para as peixeiras e vai iniciar outra, para pescadores, em técnica de navegação no alto mar porque a ambição é investir em embarcações de médio porte com capacidade para pescar mais longe da costa e aumentar a captura.

No encontro com o ministro do Mar, o presidente da câmara de Mosteiros abordou questões relacionadas com as infraestruturas, a formação técnica dos pescadores e peixeiras, o equipamento para aumentar o nível de segurança ao sector da pesca e partilhou um conjunto de projectos em carteira como o apetrechamento da Casa dos Pescadores e a inauguração da praça dos pescadores.

Além da Baía de Corvo, Abraão Vicente visitou a estrada de acesso a Praia Cais, às obras de construção de cacifos, casa do pescador e orla marítima e encontro com pescadores do município de Mosteiros.

Esta segunda-feira, segundo dia da visita é dedicado ao município de São Filipe, onde Abraão Vicente tem agendada deslocações aos serviços ligados ao seu ministério como Instituto Marítimo Portuário, Inspecção Geral das Pescas, Polícia Marítima, mas também visita ao arrastadouro de Salinas, unidade de transformação de São Jorge, antiga infraestrutura de gelo (ex-depa), a infraestruturas de pesca da praia de Nossa Senhora da Encarnação, que foi concessionado pela câmara municipal a um privado que vai transformá-la numa unidade turística.

Ainda em São Filipe, Abraão Vicente visitará o cais de pesca do porto de Vale dos Cavaleiros e a casa dos pescadores, seguido de um encontro com pescadores da Associação de pescadores e peixeiras de São Filipe (Coopesca), actividades inicialmente programadas para domingo, primeiro dia da visita.

JR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos