Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Fogo: Acções do projecto Terra de Valor socializadas na primeira mesa de diálogo sobre desenvolvimento rural

São Filipe, 09 Mar (Inforpress) – As acções do projecto na área da agricultura e ambiente, denominado Terra de Valor, foram socializadas hoje na primeira mesa de diálogo em que a importância do desenvolvimento rural da ilha esteve em análise.

O coordenador do projeto Terra de Valor, Leonardo Di Blanda, disse que a ideia da realização da mesa de diálogo visa juntar representantes de diferentes categorias de produtores, agricultores, representantes de instituições públicas e de organizações da sociedade civil, cooperativos e associações onde todos têm o mesmo poder de palavra e contribuir com o desenvolvimento rural da ilha.

A sua realização surgiu da experiência com os outros projectos implementados pela Cospe e com sucesso devido à participação, e dos importantes ensinamentos saídos das mesas de diálogo para o desenvolvimento da ilha, sublinhando que nesta actividade todos apresentam as suas próprias preocupações e programas, assim como encontrar sinergias convergentes às diferentes acções.

Habitualmente, explicou o coordenador, os agricultores têm poucos espaços representativos para avançar às demandas, avaliar os programas e as metodologias e, por isso, a realização da mesa de debate tem como objectivo final ter um plano de acção e propostas para políticas públicas para o desenvolvimento rural.

O projecto Terra de Valor visa fortalecer as cadeias de valor da horticultura, da fruticultura e do leite no sentido de deixá-las mais organizadas, inclusive para homens e mulheres e mais resiliente às mudanças climáticas e permitir que homens e mulheres tenham novas áreas de trabalho, assim como participar na tomada de decisão e na definição e identificação dos problemas, alternativas e soluções.

O público-alvo são homens e mulheres entre 15 e 35 anos (jovens) e mulheres de 36 a 63 anos porque, explicou, tem muitas mulheres chefes-de-família e possuidoras de conhecimentos tradicionais que têm de ser valorizados.

Além da metodologia inovadora ligada à agroecologia, recursos hídricos e agrossilvicultura, o projecto prevê “escolas de campos” que, segundo a mesma fonte, são espaços de experimentação tecnológica realizada dentro das comunidades.

O Terra de Valor tem outro eixo muito forte ligado ao cooperativismo, visando o fortalecimento das cooperativas no sentido de elaborar planos de marketing, mas também faz uma abordagem à questão do género, que é central e transversal em todas as actividades, tendo o projecto o cuidado de garantir a presença de mulheres em número superior aos homens.

Igualmente, com a sua implementação, pretende-se que os estereótipos e as crenças sobre a divisão de trabalho, entre homens e mulheres, e entre trabalho produtivo e reprodutivo, sejam diminuídos, porque são essas diferenças que fazem com que as mulheres tenham menos acesso aos benefícios das cadeias de valor.

Outro aspecto ligado ao fortalecimento da cadeia de valor é o acompanhamento dos homens que têm ideias inovadoras, mas que não conseguem, muitas vezes, pôr as mesmas em prática e, por isso, vai apoiá-los desde as fases emergentes de arranque, quer na parte da produção, transformação e comercialização, mas também de marketing, comunicação e entrada no mundo digital.

Na próxima semana o projecto vai realizar actividade idêntica em Santa Cruz (Santiago), mas também colaborar e envolver todas as organizações de Cabo Verde para avançar propostas relacionadas com a adaptação às mudanças climáticas, porque é o que mais empata a vida dos agricultores para que os agricultores possam reconhecer e preparar para as mudanças climáticas de modo a saírem mais fortalecidos.

O projeto Terra de Valor é co-financiado pela Agência Italiana de Cooperação para o Desenvolvimento (AICS) e a sua implementação envolve várias parcerias, nomeadamente Coopermondo, COSPE onlus, Citi-Habitat, Laço Branco, câmaras de Santa Cruz e Santa Catarina do Fogo, Ministério da Agricultura e Ambiente, comissão regional de parceiros de Santiago Norte e Fogo e é implementado nos três municípios do Fogo e em Santa Cruz.

JR/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos