Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Floresta do Planalto Leste integra candidatura de Santo Antão a Património mundial da Agricultura – MAA

Porto Novo, 02 Ago (Inforpress) – Santo Antão está a preparar a sua candidatura a Património mundial da Agricultura e apresenta, com um dos trunfos, uma parte da floresta do Planalto Leste, que ardeu no incêndio de sexta-feira, que afectou sete espécies de plantas.

O delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) na Ribeira Grande, Orlando Jesus Delgado, confirma que a candidatura de Santo Antão a Património Mundial da Agricultura, no âmbito dos Sistemas Importantes Agrícolas Património da Humanidade (SIPAM), inclui “parte da floresta” que ardeu neste incêndio.

“Daí ser fundamental uma intervenção imediata, não só para repor minimamente as dinâmicas e os equilíbrios necessários destruídos pelas chamas, como também para criar as condições necessárias para evitar ou minimizar futuras ocorrências”, defende Orlando Jesus Delgado.

Para este responsável, a reposição do estado anterior e continuidade desta reserva florestal garantem às populações locais e às gerações vindouras “eco-sistemas mais equilibrados visando uma maior e melhor segurança alimentar “.

O Governo, segundo garantias dadas pelo primeiro-ministro, aquando a visita ao Planalto Leste, terça-feira, vai trabalhar na criação de condições visando a classificação do Planalto Leste como património natural da humanidade.

Segundo o delegado do MAA na Ribeira Grande, “uma boa parte” do parque natural de Cova/Paul/Ribeira da Torre, com uma área de 2092 hectares, fica na reserva florestal do Planalto Leste.

Este parque, alvo de um incêndio em 2017, que atingiu somente a zona de Cova, dispõe de 36 espécies de plantas endémicas, 16 das quais estão na “lista vermelha”, sendo, por isso, considerado o maior centro de biodiversidade de plantas endémicas em Cabo Verde.

O MAA vai precisar de mais de 30 mil contos para recuperar, até 2023, a reserva florestal do Planalto Leste de Santo Antão, de acordo com o plano de recuperação deste perímetro florestal, apresentado, terça-feira, durante a visita do primeiro-ministro à esta localidade.

A floresta do Planalto Leste, declarada reserva florestal em 1990, ficou “seriamente” afectada pelo incêndio de grandes proporções que consumiu 13 por cento (%) do perímetro (200 hectares) e a sua recuperação levará pelo menos cinco anos, segundo o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva.

O plano de restauração da floresta, com 1.600 hectares de extensão, consiste na limpeza, replantação e conservação de solos e água, produção de plantas e na informação e sensibilização das populações.

No quadro de preparação da candidatura de Santo Antão a Património Mundial da Agricultura, a ser apresentada à Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), esteve, em Julho, nesta ilha uma missão integrada pelos ministérios da Agricultura e Ambiente e dos Negócios Estrangeiros.

A missão integrou ainda um representante do Secretariado do Mecanismo da Participação da Sociedade Civil do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional de Comunidades dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CONSAN-CPLP).

O SIPAM é uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para e Alimentação Agricultura (FAO), criada em 2002, que reconhece e promove sítios ricos em biodiversidade e recursos genéticos que representam o sustento das comunidades.
Existem no mundo 37 sítios reconhecidos como Património Mundial da Agricultura reconhecidos.

Geralmente, SIPAM, criado pela FAO, durante a cimeira mundial sobre o desenvolvimento sustentável, em 2002, são sítios ricos em biodiversidade e recursos genéticos que representa o sustento das populações, apresentando ainda diversidade de paisagens de alto valor estético.

Em 2014, conforme apurou a Inforpress, o Governo de Cabo Verde esteve em diálogo com a UNESCO visando a preparação da candidatura do perímetro florestal do Planalto Leste a património natural da humanidade.

Nessa altura, o então Executivo justificou a iniciativa, que não se avançou, com importância da reserva florestal do Planalto Leste “no contexto da biodiversidade nacional e mundial”.

Já em 2015, os municípios de Santo Antão, durante um fórum realizado no Porto Novo, sugeriu ao Governo a preparação de candidatura de toda a ilha de Santo Antão como património natural da humanidade.

Santo Antão possui paisagens consideradas únicas pelos visitantes, sendo as suas montanhas e falésias, que caem sobre o mar, o maior fascínio desta ilha.

JM/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos