Feira de Cinzas com batata-doce e mandioca mais caras do que o ano passado

Cidade da Praia, 04 Fev (Inforpress) – A Feira para o tradicional almoço de Cinzas arrancou hoje no largo do Estádio da Várzea com a mandioca e a batata-doce mais caras do que o ano passado, por causa da escassez desses produtos no mercado.

Segundo as vendedeiras, a seca deste ano acabou por encarecer quase que a totalidade dos produtos, mas os preços que saltam à vista são os da batata-doce, que está por conta de 240 escudos, e da mandioca que custa 300 escudos.

“Os produtos mais caros são a mandioca, a batata-doce e o mel, porque não choveu. Para além disso, a mandioca foi afectada por uma praga e o cultivou não rendeu muito,” explicou Lucinda Tavares uma das 220 vendedeiras que participam na feira.

A par da batata-doce e da mandioca, a feira coloca à disposição dos praienses um leque de produtos como cenoura, xerém, mel, couve, coco, cuscuz, feijão seco para “trutxida”. O preço do mel, por exemplo, varia ente 450 a 500 escudos, a couve custa entre 120 a 160 escudos, enquanto o peixe-seco, este também apresentado em grande variedade das quais se destacam a garoupa e o esmoregal, oscila entre 600 a 800 escudos.

Apesar do fraco movimento no largo da Várzea ainda esta manhã, a expectativa da vendedeira Maria da Luz, é que mais tarde com o fluxo das pessoas possa vender ainda mais. “Todos os anos vendo aqui. O movimento está mais ou menos, mas ainda não vendi, mas confio em Deus que mais tarde consigo vender mais”, diz-se esperançosa.

No entanto, para o casal de septuagenários Virgílio e Insulina de Pina o preço dos produtos está em conta, apesar de reconhecerem que no ano passado não foram às compras porque estavam ausentes do país.

“Já comprei xerém, couve, feijão, coco e acho que os preços estão razoáveis. Dependente de dinheiro que as pessoas têm, do número de pessoas que vai comer num almoço, penso que os preços estão acessíveis para o bolso de qualquer família”, defendeu Isulina.

Este ano, para além da venda dos produtos hortícolas e do peixe seco, o Serviço Público de Abastecimento do Município da Praia (SEPAMP) introduziu numa novidade levando a cozinheira da Maria Júlia a ministrar workshops de como confeccionar diferentes pratos para o almoço de Cinzas. Também haverá uma componente cultural com momentos de dança com batucadeiras.

“A feira está prevista para seguir até o dia 6 até ao meio dia. Mas as nossas actividades serão realizadas hoje porque amanhã é dia do Carnaval. Já as vendedeiras ficam até quarta-feira porque gostam de ficar até ao meio dia do dia de Cinzas, para vender os seus produtos”, explicou a administradora da SEPAMP Elizabete Graça.

CD/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos