Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Falta de vacinas em África ameaça recuperação económica mundial – FMI e UE

Washington, 03 Mar (Inforpress) – A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional alertaram hoje que o fornecimento “insuficiente e tardio” de vacinas ao continente africano vai prejudicar a recuperação económica mundial e ter repercussões negativas na crise económica e sanitária.

“O fornecimento insuficiente e tardio de vacinas na África subsaariana prejudicará os esforços para pôr termo à pandemia, não apenas a nível regional, mas também à escala internacional, com repercussões negativas significativas para a situação sanitária, o crescimento e o comércio no resto do mundo”, lê-se numa nota assinada pela directora executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, e pela comissária da União Europeia responsável pelas Parcerias Internacionais.

A nota, divulgada durante o Fórum Africano sobre Finanças Públicas, que começou terça-feira e termina hoje em formato virtual a partir de Washington e Bruxelas, salienta que “a África subsaariana continua a enfrentar uma crise sanitária, social e económica sem precedentes, em que a pandemia comprometeu anos de árduos ganhos de desenvolvimento e abalou as vidas e os meios de subsistência de milhões de pessoas”.

Jutta Urpilainen e Kristalina Georgieva escrevem que o “objectivo comum é continuar a trabalhar em estreita colaboração com os países para apoiar os esforços em curso na luta contra esta pandemia, garantindo, nomeadamente, o acesso justo e equitativo a vacinas seguras para todos contra a Covid-19”.

Elogiando a “resposta de política orçamental rápida”, as responsáveis vincam que “as restrições de financiamento, as vulnerabilidades da dívida e o espaço orçamental limitado impediram, e continuam a impedir, que muitos países aplicassem uma resposta mais robusta” aos impactos da pandemia.

Desde o início da pandemia, o FMI já disponibilizou assistência financeira no valor de mais de 17,5 mil milhões de dólares, quase 14,5 mil milhões de euros, enquanto a União Europeia contribui com 6,2 mil milhões de euros, através do Team Europe, a que se juntam mais mil milhões de euros “disponibilizados através do apoio orçamental da União Europeia para criar espaço orçamental para as medidas de combate à Covid-19”.

Apesar destes esforços, concluem, este ano deverá ser “muito difícil para a região”, porque “mesmo que as vacinas se tornem amplamente disponíveis, subsistem enormes desafios em matéria de desenvolvimento que se não forem resolvidos, a pobreza extrema e a desigualdade continuarão inevitavelmente a aumentar e os progressos na educação serão prejudicados, com implicações críticas para a estabilidade e a segurança sociais, especialmente nos ambientes mais frágeis”.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos