Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

EUA acusam China de “agressão militar e economia predatória” na região Ásia-Pacífico

Póquio, 07 Ago 2019 (Inforpress) – O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, acusou hoje a China de praticar uma estratégia de “agressão militar e economia predatória” que desestabiliza a região da Ásia-Pacífico, durante uma visita oficial ao Japão.

As declarações do chefe do Pentágono foram realizadas no início de uma reunião em Tóquio com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, para discutir a escalada das tensões entre Pequim e Washington, a aliança bilateral EUA-Japão e os mais recentes testes de armas da Coreia do Norte.

“A China continua a desestabilizar a região. As suas agressões militares e a sua estratégia calculada de economia predatória violam a ordem internacional baseada na lei que tentamos manter”, disse Esper, citado pela agência de notícias japonesa, Kyodo.

No início da semana, os Estados Unidos designaram o gigante asiático como “manipulador de moeda”, num momento de conflito comercial entre as duas primeiras potências mundiais.

Esper também expressou a sua “preocupação” com os últimos lançamentos de mísseis efectuados pela Coreia do Norte e disse que Washington “continua comprometido com a completa, irreversível e verificável desnuclearização” do regime.

A visita do chefe do Pentágono ao Japão e à Coreia do Sul, para onde viaja esta sexta-feira, acontece depois que Pionyang realizar quatro lançamentos de mísseis em menos de duas semanas, ensaios que o ditador norte-coreano Kim Jong-un caracterizou de “aviso” aos países aliados.

Esper também planeia reunir-se hoje com o seu homólogo japonês, Takeshi Iwaya, para discutir a aliança bilateral de segurança que ambos os países têm com a Coreia do Sul, num momento em que as relações entre Seul e Tóquio se deterioraram para o pior nível das últimas décadas.

Espera-se que os responsáveis pelas pastas da Defesa de Washington e de Tóquio examinem a possibilidade de o Japão se juntar à iniciativa norte-americana de formar uma aliança naval destinada a escoltar petroleiros no Golfo Pérsico, no actual contexto de tensão com o Irão.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos