Etiópia: Partes em conflito têm de aproveitar “oportunidade vital” para solução pacífica – Guterres

Nações Unidas, 27 nov (Inforpress) – O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o português António Guterres, exortou hoje as várias partes envolvidas no conflito na Etiópia a aproveitarem a “oportunidade vital” de mediação, para “resolver pacificamente o conflito” em Tigray.

Guterres saudou “o encontro organizado hoje entre o primeiro-ministro [da Etiópia] Abiy Ahmed e os enviados especiais da União Africana”, dá conta um comunicado divulgado na página do gabinete do porta-voz do secretário-geral da ONU.

O secretário-geral das Nações Unidas “urge as partes [envolvidas neste conflito] a abraçarem esta oportunidade vital para resolver pacificamente o conflito”, prossegue a nota.

Contudo, é também necessário garantir que a “protecção de civis, direitos humanos e acesso a assistência humanitária para as áreas afectadas”, relembra António Guterres.

A comunidade internacional, incluindo o secretário-geral das Nações Unidas e a União Europeia, tem manifestado grande preocupação com o conflito e o seu impacto humanitário, enquanto insiste nos apelos ao diálogo.

Abiy Ahmed, prémio Nobel da Paz em 2019, tem rejeitado o que apelida de “quaisquer actos de ingerência indesejados e ilegais”, afirmando que o seu país irá lidar com o conflito sozinho.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), mais de 43.000 refugiados abandonaram a região em direcção ao Sudão e quase 100.000 refugiados eritreus em campos no norte de Tigray ficaram expostos às linhas de fogo.

Organismos independentes relataram o massacre de pelo menos 600 civis.

A comunidade internacional, incluindo o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e a União Europeia, tem manifestado grande preocupação com o conflito e o seu impacto humanitário, enquanto insiste nos apelos ao diálogo.

Abiy Ahmed, prémio Nobel da Paz em 2019, tem rejeitado o que apelida de “quaisquer actos de ingerência indesejados e ilegais”, afirmando que o seu país irá lidar com o conflito sozinho.

O Sudão é um dos países mais pobres do mundo e conta com mais de um milhão de refugiados no seu território.

A crise em Tigray ocorre num momento em que o Sudão atravessa uma difícil transição, desde a destituição, em Abril de 2019, do antigo Presidente sudanês Omar al-Bashir.

Actualmente liderado por um Governo de transição, as autoridades sudanesas procuram reconstruir a economia do país, prejudicada por décadas de sanções pelos Estados Unidos da América, que isolaram o Sudão da comunidade internacional e vedaram o acesso a apoios financeiros de instituições internacionais, má gestão pública e conflitos armados sob a liderança de Al-Bashir.

Além destes factores, o Sudão enfrentou, este ano, severas inundações em grande parte do país e, como o resto do mundo, a pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos