Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Estudo revela que despesas do ramo de doença e maternidade aumentaram 9% 

Cidade da Praia, 28 Set (Inforpress) – O Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) gasta anualmente cerca 3 milhões de contos só no ramo da doença e maternidade, um aumento de 9%, enquanto as receitas crescem apenas 6%, revelou hoje um estudo.  

Elaborado pelo INPS em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Estudo sobre o Ramo de Doença e Maternidade, apresentado na manhã de hoje, na Cidade da Praia, concluiu ainda que há uma tendência de o crescimento das despesas ultrapassar as receitas.  

Segundo a presidente da comissão executiva do INPS, Orlanda Ferreira, trata-se de uma situação “preocupante” que tem vindo a “aumentar ano após ano” no ramo de doença e maternidade.  

“Os custos do ramo de doença têm vindo a crescer a volta dos 9% anualmente, e as receitas afectas a este cresce a volta do 6%, e os custos em termos de valores é cerca de 3 milhões de contos e há tendência das despesas ultrapassar o crescimento das receitas”, apontou a responsável.  

Orlanda Ferreira avançou ainda que 8% daquilo que o trabalhador ou entidade empregadora comparticipa para o INPS é destinada para a assistência à saúde e maternidade e que os custos advenientes com o crescimento estão relacionados com as despesas de transportes, estadias e medicamentos.  

A presidente do INPS disse que a instituição não controla directamente todas as receitas referentes a este ramo e que a mesma está muito dependente também das estruturas de saúde, já que as prescrições são feitas pelos médicos.  

 “O estudo recomenda a ter muita atenção com as despesas de transportes dos beneficiários para os hospitais centrais e para o exterior sendo que tem a aumentar virtuosamente e com as estadias dos evacuados para o exterior que tem vindo a crescer de ano para ano para além do aumento o número de beneficiário”, revelou.  

A ideia, segundo a presidente, é ver e analisar o que deve ser feito para concentrar as fontes de financiamento, de modo a permitir o equilíbrio e garantir a cobertura de todos os beneficiários.  

Avançou, que com base neste estudo será definido um plano de intervenção com medidas a serem implementadas nos próximos anos, de modo a evitar o desequilíbrio do sistema e evitar usar recursos de outros ramos para o sector da doença e maternidade.  

Por seu turno, o ministro do Estado, Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, Fernando Elísio Freire, disse que o estudo veio reorientar as contribuições no ramo da doença e saúde, sector que tem “uma despesa significativa” no Instituto Nacional de Previdência Social.  

“Essa receita anda a volta de 3,8 milhões de contos por ano, o que é muito e queremos que chegue a cada vez mais cabo-verdianos, mas temos de fazer muito mais investimento na prevenção e já estamos a fazer nos vários centros de saúde por todo o país e continuar a reforçar”, apontou o ministro.  

O foco, segundo o governante, é manter um sistema credível, sustentável, que não deixe ninguém para atrás, que reforce o contrato social com todos os cabo-verdianos e esteja alinhada aos novos modelos sociais.   

AV/AA

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos