Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Estrela japonesa do ténis pergunta por colega chinesa que desapareceu após acusações de violação

Pequim, 17 Nov (Inforpress) – A estrela do ténis japonesa Naomi Osaka disse hoje ter ficado chocada ao ouvir sobre o caso da colega chinesa Peng Shuai, que desapareceu após ter acusado um ex-alto quadro do Governo chinês de agressão sexual.

Osaka juntou-se, nas redes sociais, aos internautas que questionam: onde está Peng Shuai? (“#WhereIsPengShuai”).

“Não estou certa se estão a acompanhar as notícias, mas fui informada, recentemente, sobre uma colega jogadora de ténis que desapareceu logo após revelar que foi abusada sexualmente. A censura nunca é aceitável”, frisou.

Osaka, de 24 anos, disse esperar que Peng e a sua família “estejam bem”.

“Estou chocada com a situação actual”, escreveu.

Outros jogadores importantes, incluindo Novak Djokovic, e os organizadores dos torneios de ténis profissional feminino e masculino, apelaram a uma investigação completa sobre as alegações feitas pela bicampeã de duplas do Grand Slam.

No início do mês, Peng acusou o antigo vice-primeiro-ministro chinês Zhang Gaoli de a ter forçado a manter relações sexuais, através de uma mensagem difundida no Weibo, o Twitter chinês.

A mensagem foi removida poucos minutos depois e a imprensa chinesa, que está submetida à censura exercida pelo regime, não referiu o assunto.

Mais de uma semana após a denúncia, o presidente e chefe executivo da Associação de Ténis Feminino (WTA), Steve Simon, emitiu uma declaração a defender que “Peng Shuai e todas as mulheres merecem ser ouvidas e não censuradas”.

“A acusação sobre a conduta de um ex-líder chinês, envolvendo agressão sexual, deve ser tratada com a maior seriedade”, acrescentou.

Na segunda-feira, Andrea Gaudenzi, o presidente da ATP, que representa os profissionais masculinos, disse que as autoridades do ténis estão “profundamente preocupadas com a incerteza em torno da segurança imediata e do paradeiro” de Peng Shuai.

“Fomos encorajados pelas recentes garantias recebidas pela WTA de que ela está segura”, disse Gaudenzi. “Separadamente, apoiamos totalmente o apelo da WTA para uma investigação completa, justa e transparente das alegações de agressão sexual contra Peng Shuai”.

Peng, de 35 anos, escreveu que o antigo vice-primeiro-ministro e membro do Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, a cúpula do poder na China, a forçou a manter relações sexuais, apesar das repetidas recusas, após uma partida de ténis há três anos.

Ela disse que a esposa de Zhang ficou de guarda à porta durante o incidente.

Na mesma mensagem, Peng disse que, depois daquele primeiro encontro, ela passou a sentir algo por ele.

Como é normal para altos quadros chineses que se retiram, Zhang, de 75 anos, desapareceu em termos públicos após terminar a sua carreira política, em 2018.

Peng ganhou 23 títulos de duplas, incluindo em Wimbledon, em 2013, e no French Open, em 2014. Foi igualmente semifinalista em simples no US Open em 2014.

A tenista também disputou três Jogos Olímpicos – 2008, 2012 e 2016 – mas o Comité Olímpico Internacional permaneceu em silêncio sobre as suas alegações. O COI e a China estão a organizar em conjunto os Jogos Olímpicos de Inverno, que se realizam no próximo ano, em Pequim.

A sua acusação foi a primeira contra um alto quadro do regime desde que o movimento #MeToo chegou à China, em 2018, antes de ser amplamente reprimido pelas autoridades no mesmo ano.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos