Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Estados Unidos saúdam regresso de Guaidó a Caracas

Washington, 05 Mar (Inforpress) – O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, saudou hoje o regresso a Caracas do líder da oposição, Juan Guaidó, que se autoproclamou Presidente interino da Venezuela e foi reconhecido pelos Estados Unidos e cerca de 50 países, incluindo Portugal.

“Os Estados Unidos e todas as nações amantes da paz em todo o mundo estão a apoiar o Presidente interino Guaidó, a Assembleia Nacional e todas as forças democráticas que trabalham para organizar eleições livres e justas para restabelecer a democracia na Venezuela”, refere em comunicado.

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, chegou hoje à tarde ao aeroporto internacional de Caracas, onde foi recebido por uma multidão composta por apoiantes e embaixadores de vários países europeus e latino-americanos, segundo imagens transmitidas em directo.

Entre os embaixadores europeus estava o de Portugal, Carlos Nuno Almeida de Sousa Amaro, confirmaram fontes diplomáticas à agência Lusa.

“A comunidade internacional deve unir-se e pressionar para acabar com o regime brutal de Maduro”, acrescentou Mike Pompeo no documento.

Guaidó, reconhecido Presidente interino venezuelano por cerca de 50 países, regressou à Venezuela após um périplo de uma semana por vários países daquela região e sob a ameaça de ser detido pelas forças de seguranças venezuelanas.

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela proibiu, em finais de Janeiro, o autoproclamado Presidente interino venezuelano de sair do país.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de Janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do Presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceu Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos