Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Estados Unidos apoiam “agenda de mudança” do novo Presidente da RDCongo

Washington, 04 Abr (Inforpress) – O chefe de diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, expressou o seu “apoio à agenda de mudança” do novo Presidente da República Democrática do Congo (RDCongo), Felix Tshisekedi, recebido esta quarta-feira em Washington.

Pompeo elogiou um programa “focado no combate à corrupção, fortalecimento da governança, promoção dos direitos humanos”, (…) estabilidade e segurança”, de acordo com um comunicado do Departamento de Estado dos EUA.

Durante a sua visita aos Estados Unidos, que se prolonga até sexta-feira, Felix Tshisekedi deve ser recebido por vários altos funcionários dos EUA, mas nenhuma reunião está prevista nesta fase com o seu homólogo Donald Trump.

O Presidente congolês deve discutir os esforços para conter o surto de Ébola no país, assim como os confrontos na região leste da RDCongo.

A presença do Presidente congolês nos EUA acontece poucas semanas depois de o Departamento de Controlo de Activos Estrangeiros (OFAC) norte-americano ter sancionado três responsáveis da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) por terem “obstruído e atrasado” os preparativos das eleições presidenciais de Dezembro, que elegeram Tshisekedi.

Os Estados Unidos são a mais recente paragem no histórico de visitas oficiais de Tshisekedi que, desde a sua tomada de posse, em Janeiro, visitou já seis países africanos – Angola, Quénia, República do Congo, Namíbia, Uganda e Ruanda.

Com as suas visitas oficiais, Félix Tshisekedi, filho do histórico líder da oposição Étienne Thisekedi, pretende obter um maior apoio da comunidade internacional e afastar-se da liderança do seu antecessor, Joseph Kabila.

A CENI e depois o Tribunal Constitucional proclamaram Tshisekedi – que sucedeu a Joseph Kabila – como vencedor das presidenciais de 30 de Dezembro de 2018, com 38,5% dos votos escrutinados, contra 34% do opositor Martin Fayalu, que contestou os resultados, alegando ter recebido 61% dos boletins e reclamando a reposição da verdade eleitoral.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos