Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Estado de Cabo Verde não recebeu até ao aumento nenhum tostão da venda dos TACV, denuncia o PAICV

Cidade da Praia, 17 Dez (Inforpress) – O líder do grupo parlamentar do PAICV, Rui Semedo, afirmou hoje, citando o relatório da Unidade de Acompanhamento do Sector Empresarial do Estado (UASE), que Cabo Verde não recebeu, até ao momento, nenhum tostão da venda dos TACV.

A denúncia foi feita durante uma declaração política no Parlamento, sobre os negócios feitos pelo actual Governo no sector dos transportes marítimos e aéreos.

“Nós vendemos e pagamos ao comprador que nos deixou apenas uma promessa de pagar-nos e foi fazer a sua vida normal, alugando os seus aviões a preço de ouro e ignorando-nos totalmente”, disse Rui Semedo.

O representante do principal partido da oposição, que questiona o destino dos 48 mil contos da venda do TACV, salientou que hoje, sem avião e sem dinheiro, e com mais dívida ao parceiro ou o novo dono dos TACV, o país está mais uma vez a ser enganado pelo Governo que não disponibiliza informações concretas, não partilha as propostas e não expõe as soluções desenhadas.

Rui Semedo questiona por onde anda a Cabo Verde Airlines (CVA) que não se fez presente perante as oportunidades surgidas durante a pandemia da covid-19, com os voos de repatriamento dos cabo-verdianos e agora neste novo contexto para ligar as ilhas ao mundo.

“Os outros estão a fazer estas ligações porque os nossos famosos aviões estão, em repouso, em Miami. Informações frescas que nos chegam de Miami dizem-nos que todos os três aviões estão com água no motor o que, põe por terra a tese do um estacionamento seguro para favorecer a manutenção e poderá acarretar novos custos para a empresa transportadora”, disse.

Pior ainda, acrescentou o líder do grupo parlamentar do PAICV, é que o Estado continua a emitir avultados avales, somando dívidas sem saber ao certo que este negócio vai ter pernas para andar, enquanto os trabalhadores, estão a acumular atrasos nos seus salários, sem garantias, sem nenhuma previsibilidade e sem nenhum apoio do próprio Estado.

Neste sentido, o líder do grupo parlamentar do PAICV pediu ao Governo que esclareça o que realmente está a acontecer e que fale a verdade ao povo cabo-verdiano que é o verdadeiro dono dos recursos do país.

Em reacção à líder do grupo parlamentar do MpD, Joana Rosa, disse que quanto aos transportes, tanto marítimos como aéreos, o PAICV não tem lições a dar, já que, conforme frisou, o agora partido da oposição, deixou a companhia de bandeira, os TACV, de rastos, sem recursos sem avião para ligar os continentes.

A líder parlamentar do partido no poder questionou ainda o negócio feito pelo PAICV para devolver os dois aviões ATR que ligavam as ilhas.

Joana Rosa salientou que o actual Governo foi ousado ao privatizar a companhia de bandeira, vendendo apenas 51%, deixando que os outros 49% ficassem em Cabo Verde, com o Estado, com os trabalhadores e com os emigrantes.

Por outro lado, afirmou que o valor da venda não foi 48 mil contos e sim cerca de 100 mil contos.

“O PAICV sabe porque fala dos 48 mil contos, e sabe porque o remanescente foi uma compensação porque teríamos em termos de decisão, com a reestruturação da companhia, mandar pelo menos metade dos trabalhadores para casa e nós assumimos com Loftleidir que ficou com os 51% a responsabilidade de assumir esses trabalhadores”, explicou.

Joana Rosa afirmou que só o facto de a empresa ter ficado com os 500 trabalhadores foi um ganho para Cabo Verde, porque esses trabalhadores poderiam estar em casa sem emprego e sem salário.

Sobre o salário Joana Rosa garantiu que os trabalhadores estão a receber, embora admita que pode ter havido algum atraso.

A UCID também entrou no debate com o deputado António Monteiro a pedir ao Governo que reconheça os problemas no sector dos transportes, tanto marítimo como nos transportes aéreos inter-ilhas e internacionais.

“O Governo tentou as soluções, mas a verdade é que aquilo que temos, neste momento, demonstra que as soluções adoptadas não foram as melhores soluções. E temos de pensar que na vida todos erram. Só não erra quem não faz nada e o Governo devia assumir essa posição de humildade e admitir que as coisas não estão bem e que deve procurar outras saídas”, sustentou.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos