Espaço Aberto Safende promove seminário para partilhar experiência em matéria de inclusão social dos jovens

Cidade da Praia, 11 Out (Inforpress) – “Inclusão Social dos Jovens: A Experiência do Espaço Aberto Safende” é nome do seminário que, durante hoje e sexta-feira, pretende fazer um balanço e uma reflexão daquilo que tem sido a experiência do centro Espaço Aberto Safende.

Falando à imprensa, à margem da abertura do seminário, o director do Espaço Aberto Safende, Fernando Pinto, explicou que “o principal objectivo deste seminário é fazer uma espécie de balanço, mas, sobretudo, trazer reflexão daquilo que tem sido a experiência do Espaço Aberto Safende (…) mas também testemunhos da vivência do espaço”.

Além disso, o seminário conta, de acordo com a mesma fonte, com intervenções de professores universitários, académicos, cientistas e pessoas de outras ilhas com outras experiências em matéria de inclusão social. A ideia é que, no final, se faça uma sumula das várias contribuições que poderão ajudar na criação de uma rede nacional para a inclusão social.

“Vamos discutir primeiro o conceito. O que significa a palavra inclusão. Que tipos de inclusão há. Quais as necessidades para se fazer a inclusão. Como é que cada organização tem feito a inclusão”, prosseguiu Fernando Pinto, afirmando que, muitas vezes, aquilo que se pratica não é o que se diz em termos teóricos, “porque nem toda a gente tem preparação”.

Aquele responsável defendeu que os monitores, os responsáveis, têm que ter uma pedagogia muito concreta, que os permita estarem próximos da família, das crianças, dos jovens e das comunidades, para saberem a real necessidade.

Por seu turno, a ministra da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal, classificou esta iniciativa de “muitíssimo importante”.

“Nós temos várias ONG que intervêm nesta área, mas o percurso todo feito para esta intervenção é, realmente, exemplar. É uma associação que começou com todo um processo de estudos. Foi a primeira associação a promover um estudo sobre a saúde e o estilo de vida dos adolescentes, desde 2005/2007 e, depois, focalizou a intervenção numa zona específica”, disse a governante.

Para Maritza Rosabal, é “interessante” o facto de o Espaço Aberto Safende ter se mantido activo até agora, apesar de todos os problemas financeiros e de apoios, conseguindo sempre mobilizar diferentes parceiros e “isto é realmente importante”.

“Depois tem desenvolvido um trabalho realmente meritório. Esta iniciativa que é precisamente estar aqui para reunir todos esses percursos e intervenções que é um bocado uma perspectiva de partilha e aprendizagem é muito importante”, acrescentou.

GSF/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos