Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

ENTREVISTA/Covid-19: Cabo Verde com forte recessão em 2020 e Orçamento rectificativo até Junho – PM

Praia, 22 Mar (Inforpress) – O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, admitiu hoje, em entrevista à Lusa, uma “forte recessão económica” este ano, devido à pandemia da covid-19, prevendo um Orçamento rectificativo até Junho para mitigar a crise.

“O cenário macroeconómico elaborado pela equipa do Ministério das Finanças e validado pelo equipa de missão do FMI [Fundo Monetário Internacional], aponta para uma forte recessão económica em 2020 em Cabo Verde, à semelhança do que acontece a nível mundial”, afirmou o primeiro-ministro, na entrevista à Lusa.

Em Cabo Verde estão confirmados três casos da covid-19, todos turistas estrangeiros e apenas na ilha da Boa Vista, que está de quarentena. Além disso, o país está fechado a voos internacionais, para desembarque de passageiros.

O país está dependente das receitas do turismo, com mais de 750 mil turistas anuais e um crescimento económico anual que tem ficado acima dos 5%, mas já se prepara para o cenário recessivo, devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus.

“O impacto sobre as receitas fiscais vai ser forte derivado da quebra de actividade da indústria do turismo”, admitiu Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro acrescentou que está convocada para terça-feira uma reunião do Conselho de Concertação Social, durante a qual o Governo vai “apresentar um conjunto de medidas de mitigação e de apoio às empresas e à protecção dos trabalhadores”.

“[As medidas] irão impactar as finanças públicas e a segurança social, mas que são imprescindíveis para evitar uma espiral incontrolável e ainda maior da crise. Por estes motivos, o Orçamento rectificativo vai ser necessário. Prevemos apresentá-lo ao parlamento até Junho”, anunciou.

Questionado pela Lusa sobre um eventual pedido de ajuda ao FMI, com envelope financeiro, o primeiro-ministro afirmou que “mais do que admitir”, Cabo Verde precisa do apoio de todos os parceiros: “FMI inclusive, assim como os países da União Europeia precisam do apoio dos fundos comunitários e do BCE [Banco Central Europeu]. Estamos perante a maior crise sanitária e económica mundial dos últimos tempos e que a nossa geração não tinha ainda presenciado e sentido”.

Globalmente, o Orçamento do Estado de Cabo Verde para 2020 é de 73 mil milhões de escudos (663 milhões de euros), mais dois mil milhões de escudos (18 milhões de euros) do que no ano anterior, e previa um crescimento económico no intervalo de 4,8 a 5,8% do Produto Interno Bruto, comparando com 2019.

Com a ilha da Boa Vista em quarentena e várias medidas de prevenção activas no arquipélago, para travar qualquer progressão da doença, Cabo Verde tem previsto realizar este ano as oitavas eleições autarquias da sua história.

“As eleições autárquicas podem ser realizadas até o dia 01 de Novembro [de 2020]. Ainda é cedo para um posicionamento sobre eventual adiamento ou não”, disse o primeiro-ministro, questionado sobre a manutenção do acto eleitoral deste ano.

A pandemia da covid-19 já provocou 12.895 mortos e 300.097 pessoas estão infectadas em 169 países e territórios.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos