Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Entra hoje em vigor o novo Estatuto dos Militares que reestrutura as bases do sistema remuneratório da classe

Mindelo, 01 Jan (Inforpress) – Entra hoje em vigor o  novo Estatuto dos Militares, que traz como novidades a reestruturação das bases do sistema remuneratório e do regime de incentivos e regalias dos militares, através da redefinição do valor do índice 100.

O documento, aprovado pela lei n ° 66/IX/2019, estabelece as questões de desenvolvimento da carreira, remuneratórias e da avaliação, e prevê a criação de três níveis salariais, em cada posto,  de modo a “incentivar o militar a manter-se no activo por mais tempo.”

O novo estatuto também “redefine as regalias” de que gozam os militares que desempenham os cargos de comandante dos Ramo e dos Órgãos Centrais de Comando, através da “atribuição de passaporte diplomático” e “fixa regalias a outros militares em função dos cargos que desempenham”.

O diploma institui o cumprimento de serviço efectivo normal, em regime de voluntariado ou em regime de contrato nas Forças Armadas, como critério decisivo” para o ingresso no emprego nas entidades públicas relevantes para a “implementação do Conceito Estratégico de Defesa e Segurança Nacional”.

Consagra também o direito de uso e porte de arma para os militares dos Quadros Permanentes bem como de outros militares na reforma, reserva e em regime de contrato e “harmoniza” esse direito com o Regime Jurídico relativo às armas e suas munições.

O Estatuto introduz a “ isenção de direitos aduaneiros na importação de veículo automóvel ligeiro para oficiais capitães”.

Isto, de acordo com o documento, de forma a “harmonizar as condições de gozo” desse direito com “outras categorias profissionais”,  através da “inclusão da isenção de imposto especial de consumo e de emolumentos gerais”.

Outra novidade é que o Estatuto autoriza o direito à assistência medicamentosa, por conta do Estado, aos filhos dos militares em serviço Efectivo Normal e em Regime de Voluntariado.

Para além disso, com o novo documento regulatório “fica suspensa a obrigação dos militares comunicarem a intenção de participar em concurso de emprego público ou privado”, mas estabelece “a limitação de nomeação em cargo público ou privado,  sem prévia autorização do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas  (CEMFA).”

O estatuto atribuiu ainda ao CEMFA a competência para promover militares até ao posto de coronel e capitão-do-mar, prevê ainda a ampliação da classe das praças, com a criação do posto de cabo-mor e a criação de tabela remuneratória para este mesmo posto.

Em Novembro, durante a cerimónia de juramento à bandeira no Centro de Instrução Militar Zeca Santos,   em São Vicente, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, afirmou que o novo Estatuto dos Militares terá impacto na melhoria da vida e da carreira de todos os militares.

Para o chefe do Governo é um diploma que irá dotar a as Forças armadas de Cabo Verde de “modernos” instrumentos de gestão de carreiras com base “no mérito e no desempenho”, com enfoque na “valorização profissional” e na “dignificação da carreira militar.”

“Depois de 22 anos, os militares terão a sua grelha salarial revista, reivindicação antiga e justa que foi protelada por longo tempo,” defendeu, naquela ocasião, o primeiro-ministro.

CD/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos