Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Emprofac quer estabelecer novos caminhos de relacionamento com farmácias no plano de negócio 2018/2020

 

Cidade da Praia, 04 Dez (Inforpress) – O presidente do conselho de administração (PCA) da Emprofac admitiu hoje, a necessidade de ultrapassar os obstáculos que ainda tendem a persistir com as farmácias para que possam estabelecer novos caminhos no plano de negócio previsto para 2018-2020.

Gil Évora fez essas considerações durante a cerimónia de abertura do I Encontro Geral com os Responsáveis das Farmácias de Cabo Verde, que teve lugar esta manhã, na Cidade da Praia, e que visa debater questões relacionadas com o sector farmacêutico.

“O plano de negócios 2018-2020 traduz a visão deste conselho de administração sobre o que será a Emprofac nos próximos três anos e terá um cunho personalizado no que respeita as relações com as farmácias”, disse o PCA da Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos, que promete maior ênfase à questão comunicacional e comercial para uma aproximação das partes.

Segundo Gil Évora, o novo cronograma da empresa vai incidir sobre uma “actividade interessante” que vai ao encontro da satisfação dos clientes no que respeita às roturas.

Para isso, sublinhou o economista, foi criada uma unidade para supervisionar o “stock” com o compromisso de que não haja, no futuro, roturas no mercado visando cobrir tanto as estruturas privadas como públicas existentes no país.

“Independentemente de Emprofac ser uma empresa pública, entendemos que deve ser mais competitiva e mais virada para o cliente. Queremos, também, prepara-la para os novos tempos que se avizinham, independentemente das condições do mercado, pois, já figura na lista de privatizações”, disse.

Gil Évora lembrou que o encontro, além de constituir um momento de convivência e debate sobre as preocupações comuns e constrangimentos decorrentes da situação geográfica, é momento para uma conversa “franca e aberta” com vista a remover os obstáculos e melhorar os relacionamentos.

Neste âmbito, admitiu que a espectativa é que o encontro seja de “partilha” visando recomendações importantes para o futuro relacionamento entre a Emprofac e as farmácias.

Por sua vez, a representante da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, Maria da Luz Leite, regozijou-se com o encontro que traz à Cidade da Praia representantes de farmácias de todo o país para debater problemas que afectam o relacionamento, bem como roturas de “stock”.

Para a responsável da Farmácia Jovem, de São Vicente, Aleida Gomes, os constrangimentos a nível de relacionamento com a Emprofac são mais voltados para as roturas de “stock”.

“A par disso, tudo funciona muito bem. Esta iniciativa é muito boa, e aproveito para parabenizar a Emprofac por este encontro de diálogo”, declarou.

Durante o encontro vão ser debatidos temas como “Os desafios de uma nova era”, “O sistema logístico da Emprofac: Perspectiva para 2018”, “Importância do Sistema Nacional de Farmacovigilância” e “A responsabilidade do farmacêutico no circuito do medicamento – As boas práticas de Farmácia”.

A Emprofac tem como principal foco, o seu segmento estratégico prioritário – o dos medicamentos, sendo responsável pela sua distribuição a nível nacional, a todas as farmácias, hospitais e estruturas de saúde de Cabo Verde.

PC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos