Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Emprofac quer alargar sua rede de exportação para Mauritânia e Guiné Equatorial

Cidade da Praia, 07 Jul (Inforpress) – A Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos (Emprofac) quer expandir sua rede de exportação de medicamentos, com o intuito de consolidar, cada vez mais, a internacionalização da entidade, tendo como principais focos de mercado, a Mauritânia e a Guiné Equatorial.

A informação foi dada à Inforpress pelo presidente do conselho de administração da Emprofac, Fernando Gil Évora, anunciando que a exportação para esses dois países pode ser concretizada já em 2019.

“Queremos chegar aos mercados da Mauritânia e da Guiné Equatorial, porque estamos no processo da internacionalização e vemos esses dois pontos como potências para o plano de negócio”, explicou, revelando, no entanto, que ainda não foi feito contacto com possíveis operadores.

Por outro lado, segundo Gil Évora, esta é uma estratégia idealizada para a Emprofac, dando continuidade ao processo de exportação, que neste momento está direccionada para a Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.

“Fizemos um plano de negócios para o nosso mandato e um dos objectivos é, justamente, a internacionalização da Emprofac. Sabemos que Cabo Verde é um país em que todas as empresas têm problemas de escala e, muitas vezes, vender somente internamente não rentabiliza boa actividade.

A Empofac deu início às exportações para a Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe no passado mês de Junho, tendo enviado três carregamentos de produtos farmacêuticos para os dois países.

“Foi feita uma prospecção de mercado e vimos que haviam potencialidades. Em São Tomé e Príncipe estamos exportando para uma entidade 100% pública, que é o Fundo Nacional de Medicamentos, enquanto que na Guiné-Bissau foram feitas somente em farmácias privadas”, indicou, referindo que a instabilidade política que se vive naquele país, impede a parceria com empresas públicas.

“Na Guiné-Bissau não conseguimos negociar com entidades públicas (…). Entretanto, para Novembro, com a eleição de novo Governo, acredito que poderemos exportar para o sector público”, manifestou.

Para o presidente da Emprofac, a internacionalização para o mercado exterior, além de trazer grandes ganhos para a entidade, contribuirá também com a entrada de divisas para Cabo Verde.

“O processo de internacionalização traz grandes vantagens para a Empofac, como o aumento de receitas, a valorização da empresa e, sobretudo, a entrada de divisas para Cabo Verde”, enalteceu.

Fernando Gil Évora acredita que as empresas no país deveriam apostar no mercado internacional, neste caso, a costa africana, mas que para isso, é necessário também uma “aposta forte” na politica de transporte.

“Desde que tenhamos uma política de transporte bem sedimentada, as empresas terão excelentes condições”, atestou.

A Emprofac é a responsável pela importação, armazenamento, comercialização e a distribuição de medicamentos e produtos farmacêuticos a todas as farmácias, hospitais e outras estruturas de saúde em Cabo Verde.

HR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos