Empresa checa quer produzir aviões em Cabo Verde para serem exportados aos países africanos

Cidade da Praia, 22 Set (Inforpress) – A vice-presidente da Câmara de Comércio Checo e Cabo-Verdiana, Mónica Sofia Duarte, afirmou hoje que a empresa Aeronáutica Checa Cabo-verdiana pretende nos próximos três anos produzir no arquipélago aviões para serem vendidos aos países africanos.

Mónica Sofia Duarte avançou estas informações à Inforpress, à margem da cerimónia de abertura da Iª edição da feira de empresas e empresários checos e cabo-verdianos, que arrancou hoje e termina no próximo dia 24, na Cidade da Praia.

A feira, conforme avançou, realiza-se em parceria com o Governo de Cabo Verde, as câmaras municipais e várias outras instituições públicas e privadas de ambos os países, adiantando que o certame terá, por outro lado, uma forte participação de expositores da sub-região da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Segundo adiantou, o evento conta com a participação de 62 empresas representadas nos 16 stand instalados na Feira Internacional Cabo Verdiana (FIC), em Achada Grande Frente, tendo, no entanto, lamentado a fraca adesão das empresas cabo-verdianas.

“No início quando as empresas cabo-verdianas não aderiram à feira fiquei um pouco assustada e preocupada com as mudanças em cima da hora, cancelamentos de pessoas e personalidades que estavam à espera, que não podiam participar, mas estou muito feliz porque tenho quatro empresas cabo-verdianas, tudo está a correr bem e esperamos realmente que seja um incentivo para o sector privado”, declarou.

Defendeu a necessidade de os jovens cabo-verdianos darem o seu contributo na promoção do sector privado e desenvolvimento do país, almejando que na próxima edição, que será realizado na República Checa, mais empresas cabo-verdianas participem no evento.

“Se os jovens aderiram a isto com muita força, daqui a alguns anos vamos ter um sector privado em Cabo verde de qualidade, activo e a funcionar como nos outros países, mas é preciso fazer um trabalho contínuo. Até ontem havia pessoas que não acreditavam nessa feira, porque Cabo Verde não tem relações com a República Checa e esta feira, por mais pequena que seja, para mim é o resultado do querer”, declarou.

Destacou neste sentido a importância de se apostar nas relações de aproximação de Cabo Verde à República Checa nas áreas económicas e diplomáticas, afiançando que os motores para o desenvolvimento da economia cabo-verdiana estão na feira e que se forem aproveitadas trarão bons frutos.

Ainda segundo esta responsável, as empresas checas pretendem nos próximos tempos investir em Cabo Verde nas várias áreas, tendo adiantando que foi concebido um projecto avaliado em cinco milhões de euros para a produção de aviões no território cabo-verdiano para serem exportados a outros países africanos.

“Durante três anos vamos construir aviões em Cabo Verde, o que fazemos na República Checa. Vamos trazer engenheiros checos e técnicos e pretendemos também recrutar cabo-verdianos para irem formar na fábrica existente na República Checa e produzir aviões com a mesma qualidade aqui em Cabo Verde”, anunciou.

O evento conta com a presença de fabricantes checos de bombas de calor, condensadores, água de nascente embalada, vitaminas e moda feminina de qualidade, empresas ligadas a imóveis, construção civil, saúde, educação, finanças, e outras áreas.

O certame conta de igual modo com apoio de parceiros institucionais como a Câmara de Comércio de Sotavento, Câmara de Comércio de Barlavento, Câmara Municipal da Praia, Cabo Verde Trade Invest, Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), Câmara de Comércio da República Checa, e demais instituições.

CM/JMV

Inforpress/Fim.

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos