Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Emprego: Houve uma criação líquida de 5.884 postos de trabalho – Secretário-Geral do MpD

Cidade da Praia, 04 Abr (Inforpress) – O Movimento para a Democracia (MpD-poder) congratulou-se hoje com o facto de, “pela primeira na história do país”, se ter registado “209.725 pessoas activas no mercado do trabalho e que houve uma “criação líquida de 5.884 postos de emprego.

O secretário-geral deste partido, Miguel Monteiro, fez estas declarações numa conferência de imprensa para reagir aos últimos dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o emprego no arquipélago.

“Pela primeira vez, para além de 2012, nos últimos sete anos a população inactiva diminuiu, passando de 158.910 para 140.467, ficando aos níveis de 2011”, precisou a dirigente “ventoinha”, acrescentando que a taxa de actividade, que mede o nível geral de participação da população activa no mercado de trabalho, “assumiu em 2016 o valor mais alto desde 2010”.

Segundo ele, em 2012 e 2013, o país teve “praticamente o mesmo número de desempregados”, mas agora tem “mais cerca de 20.000 empregados que nesses anos”.

“Apesar da taxa de desemprego ter aumentado (15%), ela é inferior a três das últimas taxas de desemprego (20112/2013 e 2014)”, indicou Miguel Monteiro, para quem o aumento da taxa de desemprego se deve, essencialmente, ao facto de o aumento da população activa (11%) ter sido “mais expressivo que o aumento do emprego (7,8%).

De acordo com o dirigente do MpD, em 2016, “houve uma criação líquida de postos de trabalho de 5.884”, ao contrário de 2013 e 2014, onde a taxa de desemprego desceu, mas que nesses anos se registou “destruição líquida” de postos de trabalho, sendo 903 em 2013 e 582 em 2014.

Lembrou que o orçamento de 2016 foi aprovado em Julho, sendo a recolha do INE sido feita no último trimestre do ano, ou seja com menos de seis meses para ter “impacto na economia”.

“Estamos convictos que o crescimento económico estimado para 2017 de 5%, irá continuar esta senda de maior número de cabo-verdianos empregados, e maior acesso ao rendimento”, concluiu.

LC/CP
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos